O humorista Jimmy Kimmel está a ser duramente criticado após ter sugerido que os hospitais devem recusar tratar os pacientes que não estejam vacinados contra a covid-19.

Num episódio do seu programa "Jimmy Kimmel Live!", o apresentador fez referência a uma declaração de Anthony Fauci, o diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas, na qual afirmou que os hospitais estão a ficar sem camas nos cuidados intensivos e que em breve terão de começar a fazer "escolhas difíceis".

Essa escolha não me parece assim tão difícil. Uma pessoa vacinada a ter um ataque cardíaco? Sim, pode entrar, nós tratamos de si. O tipo não vacinado que tomou coisas de cavalo? Descansa em paz, ofegante", rematou o Jimmy Kimmel.

No seu monólogo, o comediante está a referir-se a ivermectina, um medicamento desparasitante utilizado em animais, que algumas pessoas tomaram erradamente para tratar ou prevenir a covid-19. A agência norte-americana do medicamento (FDA) já havia alertado para este medicamento, não seguro para humanos.

As pessoas ainda estão a tomar esta ivermectina. O centro de controlo do veneno viu um pico nos apelos das pessoas que tomam este medicamento para combater o coronavírus, mas que não tomam a vacina. É como se fosses vegetariano e dissesses: "Não, não quero um hambúrguer, dê-me antes aquela lata de Alpo (comida para animais )"

O apresentador concluiu o seu discurso agradecendo aos anfitriões convidados, que o substituíram enquanto ele esteve de férias.

Redação / IC