O comandante da brigada aeroespacial dos Guardas da Revolução iranianos assumiu este sábado a "responsabilidade total" pela queda do Boeing 737 ucraniano, abatido com 176 pessoas a bordo perto de Teerão pelas forças armadas iranianas na quarta-feira.

Assumo a responsabilidade total" por esta catástrofe, afirmou o general Amirali Hajizadeh, numa declaração transmitida pela televisão, adiantando que "preferia ter morrido do que assistir a tal acidente".

O operador do míssil que abateu o Boeing ucraniano em Teerão abriu fogo sem poder obter a confirmação de uma ordem de tiro devido a uma "interferência" nas telecomunicações, disse o general iraniano.

O soldado confundiu o avião com um "míssil de cruzeiro" e teve "10 segundos" para decidir, declarou o general.

As 176 pessoas que seguiam a bordo do avião ucraniano morreram.

As forças armadas iranianas afirmaram que confundiram o avião de passageiros ucraniano com um alvo hostil momentos depois do ataque do Irão com mísseis balísticos contra duas bases militares no Iraque que albergavam tropas norte-americanas.

O ataque do Irão foi uma retaliação pela morte do general iraniano Qassem Soleimani num ataque aéreo dos Estados Unidos no Iraque.

 

Recém-casados, crianças e famílias: quem são as vítimas da queda do avião no Irão?

As histórias das vítimas da queda do avião comerceial ucraniano juntam iranianos e canadianos com dupla nacionalidade iraniana, no final de uma viagem às origens.

 
/ HCL