A Nova Zelândia atingiu este domingo a marca dos 100 dias sem qualquer contágio local no país por coronavírus, embora as autoridades tenham advertido que baixar a guarda estava fora de questão.

Existem atualmente 23 casos de infetados com a Covid-19 no arquipélago, mas todos foram detetados na fronteira, ao entrarem no país, e estão em quarentena.

Conseguir 100 dias sem transmissão na população é um passo importante, contudo, como todos sabemos, não nos podemos dar ao luxo de qualquer negligência", disse o diretor de Saúde, Ashley Bloomfield.

"Temos visto no estrangeiro quão rápido o vírus pode reaparecer e propagar-se em lugares onde anteriormente estava sob controlo, e temos de estar preparados para rapidamente refrear quaisquer novos casos no futuro na Nova Zelândia", acrescentou.

A Nova Zelândia, com uma população de cinco milhões de habitantes, teve 1.219 casos confirmados de coronavírus desde fevereiro, com o último diagnóstico a 1 de maio. Registaram-se 22 mortes.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) chamou ao país de exemplar por "eliminar com sucesso a transmissão na população".

A Nova Zelândia fechou as suas fronteiras a 19 de março. As fronteiras da Nova Zelândia são agora estritamente controladas, sendo qualquer pessoa que entre no país sujeito a uma quarentena de 14 dias.

No caso de uma segunda vaga, o governo solicitou que todos os agregados familiares guardassem kits de abastecimento de emergência, incluindo máscaras.

A pandemia de Covid-19 já provocou cerca de 722 mil mortos e infetou mais de 19,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

/ SS