O presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, saudou hoje a proposta apresentada pela Comissão Europeia para o Fundo de Recuperação da União Europeia (UE) pós-crise de covid-19, classificando-a como “importante” para empresas e cidadãos, e apelou a “rápidas aprovações”.

“É uma proposta importante para empresas e cidadãos”, declarou David Sassoli, falando aos jornalistas em conferência de imprensa, em Bruxelas.

A Comissão Europeia propôs hoje a criação de um Fundo de Recuperação de 750 mil milhões de euros para a Europa superar a crise provocada pela pandemia de covid-19 – com 500 mil milhões de euros canalizados para os Estados-membros através de subsídios a fundo perdido e os restantes 250 mil milhões na forma de empréstimos –, e do qual se prevê que Portugal beneficie de um total de 26,3 mil milhões de euros.

Em reação, David Sassoli falou num “dia importante para o Parlamento Europeu”, por considerar que “a voz” da instituição foi consagrada na proposta, mas também “para a UE, porque é como se fosse o ‘Dia D’ do século XXI, em que a Europa redescobriu a solidariedade e que se comprometeu com uma política comum para a reconstrução dos países e para apoiar os cidadãos e o emprego”.

“Valorizo a proposta da Comissão porque tenta assegurar que saímos desta crise com uma capacidade superior à que tínhamos e com salvaguarda para as gerações futuras”, acrescentou.

À proposta do Fundo de Recuperação de 750 mil milhões junta-se também uma proposta hoje apresentada e (ligeiramente) revista do próximo quadro financeiro plurianual da UE para 2021-2027, de 1,1 biliões de euros, com as ajudas hoje divulgadas pelo executivo comunitário a atingirem 1,85 biliões de euros.

“O Fundo de Recuperação e o próximo quadro financeiro plurianual podem ser os instrumentos certos para capacitar a resposta política”, considerou David Sassoli.

Porém, “há um apelo que quero fazer”, disse.

“Todos [os líderes europeus] devem concentrar-se em trabalhar rapidamente e de forma eficiente para que os mecanismos que têm de ser depois adotados pelos parlamentos nacionais [para entrarem em vigor] possam ter ‘luz verde’ o mais cedo possível”, exortou.

Embora reconhecendo as dificuldades das negociações que se avizinham no Conselho Europeu, onde estão representados os chefes de Governo e de Estado da UE, David Sassoli apelou a uma “ação rápida”, visando que depois a assembleia europeia dê o seu aval.

Porém, avisou que o Parlamento Europeu, a quem cabe a palavra final, não aceitará “uma proposta menos ambiciosa” do que a agora apresentada, querendo inclusive melhorias.

/ AM