O Presidente dos Estados Unidos defendeu na segunda-feira que o Governo deveria criar um novo canal internacional para competir com a estação televisiva CNN, que considera passar uma imagem “injusta e falsa” do país no mundo.

Embora a CNN não esteja a sair-se muito bem nos Estados Unidos em termos de audiências, fora (...) tem muito pouca concorrência. Em todo o mundo, a CNN tem uma voz poderosa que retrata os Estados Unidos de uma forma injusta e falsa”, escreveu Donald Trump na sua conta da rede social Twitter.

“Alguma coisa deve ser feita, incluindo a hipótese de os Estados Unidos começarem o seu próprio canal mundial, para mostrar ao mundo que realmente somos GRANDES!”, acrescentou.

Trump defendeu esta ideia apesar de os Estados Unidos já possuírem um canal internacional financiado com fundos públicos, a Voz da América, que produz conteúdos para televisão, rádio e plataformas digitais em mais de 40 línguas, em dezenas de países de todo o mundo.

Com uma audiência semanal de 275,2 milhões de pessoas no ano passado, segundo dados oficiais, a Voz da América é a maior emissora internacional dos Estados Unidos, acima dos canais globais da CNN.

Donald Trump fez da CNN um dos alvos preferenciais dos seus frequentes ataques à comunicação social, e este mês confrontou-se em tribunal com a estação televisiva devido à retirada de acreditação a um jornalista seu correspondente na Casa Branca, Jim Acosta, que acabou por recuperar a sua credencial.

O chefe de Estado norte-americano dedica muito tempo a combater, com as suas mensagens via Twitter, a imprensa generalista.

Segundo informações veiculadas pela comunicação social, se tivesse perdido as eleições presidenciais de 2016, tencionava lançar o seu próprio canal televisivo, a “Trump TV”.