Os protestos dos "coletes amarelos", este sábado, um pouco por toda a França, fizeram cerca de duas centenas de feridos. Só em Paris, onde as manifestações foram mais musculadas, pelo menos 126 ficaram feridas. Entre eles, estão 17 elementos das forças das autoridades.

O ministro do interior francês Christophe Castaner diz que se manifestaram em toda a França mais de 125 mil pessoas. Dez mil só em Paris. Em Lyon, os "coletes amarelos" juntaram-se à marcha pelo clima e somaram mais de sete mil manifestantes. Em Bordeaux, cerca de duas mil pessoas protestaram e a manifestação acabou por degenerar em episódios de violência durante a tarde. O mesmo aconteceu também em Toulouse, Nantes e Marselha. O protesto revelou-se mais calmo em cidades como Lille e Rennes.

Este sábado, as autoridades mostraram uma atitude mais musculada. Mais de 89 mil elementos das forças de segurança francesa tentaram conter a fúria dos manifestantes. Só em Paris, para os 10 mil manifestantes, estiveram cerca de 8 mil operacionais apoiados por carros blindados da Gendarmerie.

Macron fala segunda-feira

O presidente Emmanuel Macron não se pronunciou durante todo o dia. Foi anunciada pelo Palácio do Eliseu uma declaração ao país para a próxima segunda-feira.

O primeiro-ministro, Edouard Philippe, adianta que Macron deverá anunciar “medidas” para “reorganizar a unidade nacional”.

O diálogo já começou e agora é necessário reconstruir a unidade nacional por meio do diálogo, do trabalho, da união", disse o chefe de governo durante uma visita ao Ministério do Interior.

 

O Presidente da República falará. Cabe-lhe propor as medidas que alimentarão este diálogo e que, espero, permitam que toda a nação francesa se reúna e enfrente os desafios atuais e que se adivinham”, disse ainda Edouard Philippe.

Novo protesto marcado para dia 15

A jornada deste sábado, o quarto protesto levado a cabo pelos "coletes amarelos", foi muito mais calma que a de há uma semana. Mas o movimento dos "coletes amarelos" promete não ficar por aqui e, no Facebook, já tem novo protesto marcado. Na página do movimento, já foi criado um evento para o próximo sábado. Este com um propósito muito específico: exigir a demissão de Macron.

Mais de 2 mil pessoas já manifestaram intenção de participar e mais de 14 mil mostraram interesse.

As exigências dos “coletes amarelos” são claras: querem que se acabe com os sem-abrigo, que o salário mínimo seja fixado em 1300 euros líquidos  e as pensões nunca inferiores a 1200 euros líquidos.