Este 15 de janeiro foi um dia histórico para o Reino Unido, com a votação do acordo do Brexit, que foi chumbado. Mas também era suposto ser um dia histórico para a deputada Tulip Siddiq, do Partido Trabalhista, que tinha a sua cesariana marcada precisamente para esta terça-feira.

No tempo limite da gravidez, acabou por adiá-la, para marcar presença na importante votação. O filho só irá nascer daqui a dois dias, no Royal Free Hospital, em Hampstead. No Twitter, a própria agradeceu as mensagens de apoio que recebeu e explicou a sua decisão:

"A minha decisão de atrasar o nascimento do meu bebé não é tomada de ânimo leve. Deixem-me ser clara, eu não tenho fé no sistema de paridade - em julho, o Governo roubou o voto de uma nova mãe. É meu dever representar Hampstead & Kilburn [os distritos que representa], e farei exatamente isso".

 

O marido de Siddiq, Christian Percy, empurrou Tulip Siddiq numa cadeira de rodas, na Câmara dos Comuns. Entretanto, no Twitter, uma jornalista publicou uma imagem da deputada.

"O meu filho pode entrar no mundo um dia depois da data que os médicos aconselharam, mas será um mundo com melhores chances de um relacionamento forte entre a Grã-Bretanha e a Europa, então vale a pena lutar", disse o pai, ator de 36 anos, ao Evening Standard. 

Este será o segundo filho da deputada do maior partido da oposição no Reino Unido. Por ter desenvolvido diabetes gestacional, foi aconselhada pelos médicos a ter o bebé esta segunda ou esta terça-feira. A equipa médica acabou por concordar em alterar a data, segundo disse fonte do seu escritório à CNN.