Kate e Gerry McCann anunciaram esta terça-feira no site oficial da família que a notícia, avançada pela imprensa britânica, de que receberam uma carta das autoridades alemãs a confirmar a morte de Maddie é falsa.

Em comunicado, o casal afirma que as informações de que receberam uma carta do procurador alemão a liderar a investigação ao principal suspeito do desaparecimento de Maddie são "falsas, como muitas histórias que têm vindo a ser divulgadas nos média".

"Isto causou ansiedade desnecessária à nossa família e amigos e, mais uma vez, perturbou as nossas vidas", escreveu o casal.

O casal afirma que não vai prestar qualquer comentário em relação às investigações e esclarece que não tem um porta-voz e não está a pagar a nenhum advogado.

"Caso ocorram desenvolvimentos importantes sobre este caso e que possam vir a público, vão ser divulgados através dos canais de comunicação policiais", explicam os pais da criança desaparecida.

O comunicado de Kate e Gerry McCann foi publicado após ter sido divulgado pela imprensa britânica que o procurador Hans Christian Wolters escreveu uma carta a confirmar a morte de Madeleine McCann.

O procurador confirmou durante a madrugada desta terça-feira que enviou uma carta aos McCann, mas disse que ainda não consegue explicar o porquê dos investigadores chegarem a essa conclusão.

Restabelecemos contacto com a família McCann através de uma carta”, afirmou o procurador alemão ao jornal Mirror.

Nós, claramente, considerámos o facto de que ia ser muito difícil para a família quando lhes dissemos que assumimos que a Madeleine estava morta. Mas não sabemos dizer porque é que ela morreu”, afirmou, sublinhando que o mais importante agora é “apanharmos o culpado, em oposição a lançarmos as cartas na mesa e dizermos (aos pais) qual a opção que achamos mais viável”.

Foi também reportado que Clarence Mitchell, o suposto porta-voz da família McCann, disse ao jornal The Sun que a carta foi recebida, mas avançou que o casal “simplesmente não faz comentários sobre correspondência privada com a polícia”.

Estas informações foram divulgadas depois de, durante o fim de semana, o procurador ter dito que ainda havia uma pequena réstia de esperança de que Maddie pudesse estar viva.

As polícias britânica e alemã, lançaram no dia 3 de junho um novo apelo público de informação sobre Christian Brueckner, um homem alemão suspeito de envolvimento no desaparecimento de Madeleine McCann em Portugal em 2007.

O homem, de 43 anos, atualmente a cumprir pena de prisão na Alemanha, terá vivido no Algarve entre 1995 e 2007, tendo a polícia revelado que registos telefónicos o colocam na área da Praia da Luz no dia em a criança inglesa desapareceu.

Madeleine McCann desapareceu no dia 3 de maio de 2007, poucos dias antes de fazer quatro anos, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.

Henrique Magalhães Claudino / Atualizada às 12:37 com a declaração dos McCann