O Japão está a investigar a morte de dois homens depois de receberem uma vacina da Moderna contra o coronavírus, proveniente de lotes cuja utilização foi suspensa devido a contaminação, anunciou este sábado o Ministério da Saúde.

Entretanto, a farmacêutica Moderna e a distribuidora Taked vieram reforçar que não encontraram quaisquer ligações entre a toma da vacina e as mortes reportadas.

Os dois homens, com 30 e 38 anos de idade, morreram este mês, após terem recebido uma segunda dose da Moderna proveniente de um dos três lotes suspensos pelo governo na quinta-feira, explicou o Ministério, em comunicado.

A causa das mortes está a ser alvo de investigação, indicou o ministério, precisando que ligar a causa ao efeito da vacinação é inconclusivo de momento.

Os dois homens, que tiveram febre depois de receberem a vacina, não apresentavam problemas de saúde ou histórico de alergias, acrescentou a mesma fonte.

O Japão anunciou na quinta-feira a suspensão da utilização de 1,63 milhões de doses vacinas da Moderna contra o coronavírus, após relatos da presença de impurezas em certas embalagens do produto.

Estas doses haviam já sido enviadas a mais de 800 centros de vacinação no país.

A Takeda, que importa e distribui no arquipélago nipónico a vacina do grupo americano, declarou ter recebido "relatos de vários centros de vacinação, segundo os quais corpos estranhos foram descobertos" em frascos não abertos.

Cerca de 44% da população japonesa foi já inteiramente vacinada, quando o país enfrenta um aumento recorde do número de casos do vírus ligados à variante Delta, mais contagiosa.

/ CP