A polícia italiana desmantelou esta quinta-feira uma rede de extrema-direita com ligações a Portugal, que pretendia criar um novo partido neonazi na Itália.

Duas agências italianas de anti-terrorismo conduziram buscas nas casas de 19 suspeitos de constituirem e participarem numa associação subversiva de incitação ao crime. 

 

 

Nas casas dos suspeitos foram encontradas armas, explosivos, cópias do Mein Kampf de Hitler, registos de conversas sobre treinos de militantes e documentos que revelam acordos com grupos internacionais.

A polícia revela que o grupo de extremistas tentou entrar em contacto com vários circuitos fascistas internacionais, como o extinto movimento neonazi português “Nova Ordem Social”, que tinha como líder Mário Machado.

 

 

Foi revelado que os extremistas utilizavam um grupo chamado “Militia” nas redes sociais para recrutar novos membros.

O grupo também tinha contactos frequentes com a “Aryan White Machine - C18" -a abreviação de Combat 18, na qual os números 1 e 8 indicam a primeira e a oitava letras do alfabeto A e H: ou seja, os "Lutadores de Adolf Hitler".

 

 

A polícia italiana informa ainda que o grupo que quis criar o "Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Italianos" passou por uma conferência em Lisboa, a 10 de agosto, com o objetivo de criar uma aliança transnacional entre os movimentos inspirados pelo "nacional-socialismo" de Hitler, em Portugal, Itália, França e Espanha.

Forças de segurança italiana divulgaram também que uma das pessoas detidas no âmbito da mega-operção foi uma ex-"Miss Hitler", eleita num concurso promovido por um português na rede social russa VK.

/ HCL