Boris Johnson será o novo primeiro-ministro britânico. O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros e presidente da câmara de Londres derrotou, como era esperado, Jeremy Hunt, o atual ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, na eleição interna do Partido Conservador.

Johnson foi eleito com 92.153 votos. Jeremy Hunt reuniu 46.656 votos.

O sucessor de Theresa May foi um dos principais apoiantes do "Brexit" no referendo de 2016 e não exclui uma saída da União Europeia sem acordo em 31 de outubro, a nova data estabelecida para os britânicos abandonarem o bloco europeu.

Leia também:

No seu discurso de vitória, o conservador começou por dizer que Jeremy Hunt foi um opositor "formidável", com "excelentes ideias".

Johnson também agradeceu a Theresa May, de quem se tornou um grande crítico nos últimos tempos por causa do "Brexit", pelo seu serviço ao país.

Foi uma horna servir no seu gabinete e ver a paixão e determinação que ela trouxe para as muitas causas que são o seu legado, como o pagamento igual para homens e mulheres, o combate aos problemas de saúde mental e a discriminação racial no sistema de justiça criminal. Obrigado Theresa", sublinhou.

O antigo autarca de Londres admitiu que há pessoas que vão questionar a sensatez da sua eleição, mas depressa reiterou que os conservadores sempre tiveram os melhores instintos e uma forma equilibrada de os conjugar. Nos últimos 200 anos, o partido sempre trabalhou no sentido de promover o bem para todo o país, vincou.

O próximo primeiro-ministro britânico assegurou que vai concretizar o "Brexit" e derrotar o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn. 

Desvalorizando as perspetivas de que vai ter um trabalho difícil pela frente, Johnson mostrou-se confiante.

Podemos fazê-lo e as pessoas deste país confiam em nós para fazê-lo. E nós sabemos que vamos conseguir", garantiu.

Johnson prometeu dar uma nova energia ao país e um novo espírito de ação. "A campanha acabou e o trabalho começa", concluiu.

Theresa May já congratulou Boris Johnson através de uma mensagem partilhada no Twitter, destacando os desafios que o novo líder conservador tem pela frente, nomeadamente a necessidade de concretizar o "Brexit" e de manter Corbyn fora do governo britânico. "Terá todo o meu apoio", acrescentou.

Recorde-se que Theresa May renunciou à liderança do partido Conservador a 7 de junho, devido às dificuldades em fazer aprovar o acordo de saída que concluiu com Bruxelas em novembro.