A polícia alemã diz ter "provas concretas" que ainda não podem ser reveladas mas que irão permitir acusar Christian Brueckner do homicídio de Madeleine McCann, a menina britânica que desapareceu na Praia da Luz em 2007.

O principal suspeito é um cidadão alemão de 43 anos que desde 2019 cumpre uma pena de sete anos de prisão pela violação de uma americana de 72 anos que cometeu em 2005

De acordo com o Ministério Público alemão, Brueckner, que possui um extenso registo criminal que inclui roubos a hotéis, condenações por abuso sexual infantil e posse de pornografia infantil, foi identificado por uma testemunha do caso McCann que relatou a forma como ele se terá gabado, num dia em que estava bêbado num bar, de saber "em primeira mão" o que tinha acontecido com Madeleine. Depois disso, a polícia demonstrou, através da ligação do seu telemóvel ao servidor, que Brueckner se encontrava a poucos metros da casa onde a pequena Maddie foi raptada no momento em que tudo aconteceu.

Ao princípio, os procuradores alemães acreditavam que Brueckner tinha levado Madeleine da Praia da Luz para a Alemanha. No entanto, segundo a imprensa britânica, o promotor Hans Christian Wolters, que lidera as investigações do caso na Alemanha, afirma agora que a polícia está convencida de que a menor morreu em Portugal.

Wolters acredita que a investigação, parada há anos, está a avançar graças ao facto de terem conseguido reunir "novas provas que se juntam ao caso" e com as quais a sua equipa está a construir a acusação contra o principal suspeito, acreditando que poderá estar pronta no final do verão.

Estas novas provas "corroboram a teoria de que ele é o responsável", acrescentou o procurador. 

Não posso divulgar o tipo de provas que recebemos, posso dizer que não é forense, mas é uma nova prova circunstancial a somar à teoria em investigação de que este homem é o responsável.”

 

Sempre insistimos que o homem que identificámos como principal suspeito é aquele que acreditamos ter cometido o crime e não procuramos mais ninguém", disse Wolters, que afirma estar "otimista" em relação à resolução do caso.

A investigação sobre o paradeiro de Maddie, que desapareceu na Praia da Luz, no Algarve, quando tinha três anos, não conseguiu, durante 13 anos, encontrar nenhuma pista sólida. No entanto, em junho de 2020, as autoridades alemãs anunciaram a identificação do suspeito Christian Brueckner. Apesar da pandemia, os procuradores alemães continuaram as suas investigações e agora têm a certeza de que a menina foi assassinada em Portugal.

Esta abordagem é muito diferente da da polícia britânica. No Reino Unido o caso Madeleine foi investigado como um desaparecimento enquanto a polícia alemã há já algum tempo que investiga um homicídio.

Maria João Caetano