No final de setembro, contámos a história de Wesley Barnes. Um cidadão norte-americano que arriscava uma pena de prisão de dois anos, depois de ter feito críticas negativas sobre o Sea View Resort, em Koh Chang, no famoso site de viagens TripAdvisor. 

Ora, de acordo com a BBC, Wesley chegou mesmo a ser detido e acusado com base nas rígidas leis de difamação da Tailândia. Dois dias depois, acabou por ser libertado, por ter chegado a acordo com o resort. Acordo esse que incluía um pedido de desculpas público ao hotel e às autoridades de turismo tailandesas. 

No entanto, a história não ficou por aqui. Desta vez, é o próprio TripAdvisor que está a alertar os utilizadores sobre a prática deste resort. No aviso pode ler-se:

Este hotel ou indivíduos ligados a este hotel avançaram com um processo crime contra um utilizador do TripAdvisor, depois deste ter escrito e publicado uma crítica online. Como resultado, o utilizador passou algum tempo preso. O TripAdvisor serve melhor os seus utilizadores quando estes são livres de partilhar as suas opiniões e experiências na nossa plataforma - tanto positivas como negativas. O hotel até pode ter exercido os seus direitos legais de acordo com a legislação local, todavia, o nosso papel é informá-lo para que vossa levar isto em consideração quando pesquisar os seus planos de viagem". 

Trata-se do primeiro aviso deste género feito no site. 

Num comunicado a que a BBC teve acesso, o TripAdvisor disse acreditar "no direito de todos os turistas poderem escrever em primeira-mão sobre as suas experiências - boas ou más"

O TripAdvisor opõe-se, fortemente, a qualquer ação em que uma empresa, como Sea View Hotel & Spa, em Koh Chang, utilize a lei local para enviar alguém para a prisão por expressar a sua opinião". 

Ao The New York Times, o resort disse estar "profundamente desapontado" e considerou o aviso "extremamente enganador", por não ter "informações completas".

Apesar da Tailândia ser considera um dos lugares mais turísticos e paradisíacos do mundo, as leis contra a difamação, conteúdo online impróprio, conspiração, desrespeito pela justiça ou insulto à monarquia são duríssimas e podem levar a uma pena de prisão até 15 anos. 

Cláudia Évora