Cerca de 10 milhões de crianças precisam de assistência humanitária no Afeganistão, quando enfrentam problemas de desnutrição ou violação dos seus direitos, alertou hoje a Unicef, garantindo que a instabilidade no país não impedirá a organização “de continuar no terreno”.

“Estima-se que um milhão de crianças sofrerão de desnutrição aguda grave no decorrer deste ano e poderão morrer sem tratamento”, alertou a organização em comunicado, no qual indicava também que cerca de “4,2 milhões de crianças não vão à escola, incluindo mais de 2,2 milhões de meninas".

Desde o início do ano, "mais de 2.000 violações graves dos direitos da criança" foram documentadas, e aproximadamente 435.000 crianças e mulheres tiveram que se mudar para outras áreas do Afeganistão para escapar da violência e outros problemas, de acordo com a Unicef.

"Esta é a triste realidade que as crianças afegãs enfrentam e permanece assim, independentemente dos eventos políticos em andamento e mudanças no governo", disse a organização, acrescentando que a situação pode piorar nos próximos meses devido às devastadoras consequências económicas relacionadas com a pandemia covid-19 , e os problemas de seca que o país apresenta.

Por este motivo, a Unicef “irá permanecer no terreno agora e no futuro”, uma vez que “milhões vão continuar a necessitar dos serviços essenciais, como saúde, campanhas de vacinação contra a poliomielite e sarampo, nutrição e proteção, abrigo, água e saneamento”.

No entanto, para levar a cabo a sua missão humanitária, tanto a Unicef como a Organização Mundial de Saúde pediram no domingo, num comunicado conjunto, “o estabelecimento de uma ponte aérea”, uma vez que o aeroporto de Cabul mantém suspensos os voos comerciais após a tomada de poder do país por parte dos talibãs, há cerca de uma semana.

Ambas as organizações "pedem acesso imediato e sem obstáculos para entregar remédios e outros suplementos que salvam vidas para milhões de pessoas que precisam de ajuda, incluindo 300.000 deslocados nos últimos dois meses", revela o comunicado.

"Nos últimos anos, houve um progresso significativo no aumento do acesso das meninas à educação, é vital que essas conquistas sejam sustentadas e que os esforços de promoção continuem para que todas as meninas no Afeganistão recebam uma educação de qualidade", refere o comunicado da Unicef hoje divulgado.

Portanto, "instamos os talibãs, e outras partes, a garantir que a Unicef e os nossos parceiros humanitários tenham acesso seguro, oportuno e irrestrito para chegar às crianças necessitadas onde quer que estejam", e que seu trabalho no país seja enquadrado "de acordo com as diretrizes humanitárias princípios de humanidade, neutralidade, imparcialidade e independência”, referem.

“O nosso compromisso com as crianças do Afeganistão é inequívoco e nosso objetivo é que os direitos de cada uma delas sejam realizados e protegidos”, afirma a organização.

/ CP