O antigo deputado do PSD Rui Oliveira e Costa morreu esta terça-feira os 73 anos, vítima de doença prolongada, confirmou a TVI.

Rui Oliveira e Costa foi dirigente da União Geral de Trabalhadores (UGT) e destacou-se como politólogo e comentador desportivo.

Foi ainda membro do Conselho Leonino e diretor do Jornal Sporting.

Numa nota de pesar, o clube enaltece e agradece a Rui Oliveira e Costa “os anos de dedicação e devoção ao clube”, endereçando “as mais sentidas condolências” aos familiares e amigos.

Leia também: "Boa viagem, amigo Rui", por Luís Costa Ribas.

Ferro Rodrigues recorda "homem comprometido com a democracia"

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, recordou Rui Oliveira e Costa como “um homem comprometido com a democracia e um lutador incansável pelos direitos dos trabalhadores”, manifestando assim pesar pela morte do antigo deputado.

“Homem afável, conversador, que tive o privilégio de conhecer e ter como amigo ao longo de mais de 60 anos, desde que nos encontrámos na Tentadora, em Campo de Ourique, Rui Oliveira e Costa era um homem comprometido com a democracia e um lutador incansável pelos direitos dos trabalhadores, tendo sido deputado à Assembleia da República, membro do Secretariado Nacional da UGT desde o 1.º Congresso, bem como membro do Conselho Económico e Social e da Comissão Permanente da Concertação Social”, escreveu Eduardo Ferro Rodrigues, numa nota enviada à agência Lusa.

Eduardo Ferro Rodrigues endereçou “as mais sentidas condolências”, em seu nome e em nome da Assembleia República.

O presidente da Assembleia da República lembrou ainda que Rui Oliveira e Costa “foi também membro das Comissões de Honra das candidaturas presidenciais de Mário Soares, em 1986 e 1991, e de Jorge Sampaio, em 1996 e 2001”.

Numa nota publicada no Facebook, João Soares, antigo presidente da Câmara de Lisboa e ministro da Cultura socialista, descreveu Rui Oliveira e Costa como “um homem cordial, com elevado sentido de fraternidade”, recordando as eleições presidenciais do seu pai, Mário Soares, em 1986.

Redação / Paulo Catarro