Há mais ramos na árvore genealógica do Governo socialista. A edição online do Observador revela que foram nomeados, para trabalhar com o executivo, o marido de uma governante, o marido de uma deputada, um filho de um ex-deputado do PS, a mulher de um assessor e amigo do primeiro-ministro e até a nora de um ex-deputado socialista. 

Estes casos juntam-se aos vários casos revelados nas últimas semanas, perfazendo um total de 40 pessoas. A nomeação de Mariana Vieira da Silva, filha do ministro Vieira da Silva, para ministra da Presidência e da Modernização Administrativa foi o caso que despoletou investigações em torno das nomeações de familiares para Governo liderado por António Costa.

Recorde-se que o caso de Mariana Silva não foi o primeiro. Ana Vitorino,ministra do Mar nomeada a quando da formação do Governo, é casada com Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, indicado para o cargo depois da demissão da ex-ministra, como resultado dos trágicos incêndios de 2017.

O primeiro caso está relacionado com a chefe de gabinete da secretária de Estado da Segurança Social, Carlos Alberto Fernandes Pinto, que é casado com a deputada e vice-presidente da bancada parlamentar do PS, Susana Amador. Segundo o Observador a nomeação aconteceu a 7 de dezembro de 2015, na altura em que a secretária de Estado do ministério de José Vieira da Silva estava a formar equipa.

Já Tiago Gonçalves, que é chefe de gabinete do secretário de Estado da Defesa do Consumidor, João Torres, desde 17 de outubro de 2018. O antigo dirigente da JS, segundo apurou o jornal online, é filho do antigo deputado e antigo presidente da câmara municipal de Peniche, Jorge Rosendo Gonçalves. 

Ângela Ferreira tornou-se secretária de Estado da Cultura na última remodelação. O marido, João Ruivo, é, apurou o Observador, adjunto da secretária de Estado do Desenvolvimento Regional, embora a nomeação ainda não tenha saído em despacho em Diário da República.

Há um caso que nunca foi noticiado. Catarina Hasse Ferreira, que foi nomeada para exercer as funções de técnica especialista no gabinete do secretário de Estado o Emprego, Miguel Cabrita, a 16 de fevereiro de 2016. Catarina Hasse Ferreira é nora do antigo deputado do PS Joel Hasse Ferreira.

O último caso é o de Susana Escária, mulher de Vítor Escária, que foi assessor do primeiro-ministro e só foi exonerado na sequência do caso Galpgate. Susana Escária foi adjunta do secretário de Estado da Internacionalização até este ser exonerado na sequência do mesmo caso em outubro de 2017. Neste caso um dos familiares já não faz parte do Governo.