O Presidente da República tem uma opinião pessoal sobre as touradas, mas quer mantê-la reservada. Esta quarta-feira, defendeu que cabe aos deputados "saberem ponderar, com raridade de meios, aquilo que é verdadeiramente importante".

A propósito da aprovação na Assembleia da República da descida do IVA aplicado às touradas, no quadro do Orçamento do Estado para 2019, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre o assunto pelos jornalistas, à saída de uma iniciativa no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), em Lisboa.

Eu tenho opinião pessoal, mas não quero exprimi-la, porque não exprimi nenhuma opinião sobre nenhuma matéria em apreciação no parlamento. O Presidente da República não deve exprimir [uma opinião]. Deve deixar aos deputados o saberem ponderar, com raridade de meios, aquilo que é verdadeiramente importante e aquilo que não é tão importante".

Sobre se considera ou não que esta é uma questão de civilização, Marcelo Rebelo de Sousa retorquiu: "Não vou dar a minha opinião sobre essa matéria, porque isso seria uma forma de intervir no debate que está em curso no parlamento".

Quanto ao conteúdo em geral do Orçamento do Estado para 2019, o Presidente da República afirmou que irá "esperar pela versão definitiva, em meados de dezembro, quanto mais cedo, melhor" para se pronunciar sobre o diploma.

"Depois, darei a minha opinião. Por enquanto, ainda dura a votação e só será concluída com a votação final global. Portanto, não queria antecipar nenhum juízo", reforçou.

Já ontem, em relação ao tempo de serviço dos professores, e ao facto de o Parlamento ter obrigado o Governo a retomar as negociações, o chefe de Estado também disse que tem de esperar pelo diploma e pelo Orçamento do Estado para 2019 para se pronunciar.