Marcelo Rebelo de Sousa disse esta segunda-feira que o objetivo no combate à pandemia é chegar a maio e junho com as medidas de desconfinamento já ultrapassadas.

Questionado pelos jornalistas durante uma visita a uma escola no dia em que reabrem as aulas presenciais do segundo e terceiro ciclos, Marcelo referiu que o mês de abril é o mais decisivo no plano de desconfinamento.

Se correr bem, quando chegarmos a maio e junho teremos ultrapassado as medidas do desconfinamento", disse, acompanhado pelo ministro da Educação.

O Presidente da República sustenta que ninguém "quer voltar para trás", porém explica que o "olhar para a frente" significa contar com a ajuda de todos os setores.

É um virar de página que se espera sem recuo, irreversível. E é um momento bom para as famílias,  bom para os professores e para a comunidade educativa. Mas, especialmente, é um momento bom para as crianças e jovens do nosso país", sublinhou o Presidente da República que disse que as saudades da escola e do recreio foram claramente observadas ao entrar nas salas de aula.

Marcelo pegou, depois, no lema do agrupamento de escolas e extrapolou-o para toda a operação de combate à pandemia. "O lema 'de todos para todos' desta escola deve ser visto como o lema do processo de desconfinamento", disse, adiantando que Portugal está a viver a abertura mais cedo do que outros países da Europa.

Peço que engrenem no esforço nacional para que no dia 19 seja mais de um milhão e meio de alunos a regressar. Este é um esforço conjunto, acreditando numa abertura para o futuro. Estamos hoje a construir futuro", rematou o Presidente.

Marcelo e o ministro da Educação visitaram esta segunda-feira o Agrupamento de Escolas Francisco Arruda, em Lisboa, num dia que ambos descreveram como "histórico". 

Para Tiago Brandão Rodrigues este "virar da página" deve ser visto com cautela. O ministro acrescenta que o processo de desconfinamento da educação, que deverá culminar no dia 19 com a total abertura dos estabelecimentos de ensino, tem etapas e "a etapa seguinte só pode começar após a conclusão desta".

O ministro da Educação congratulou-se com o processo de testagem massiva nas escolas posto em prática esta semana e salientou que, nos concelhos com incidência com mais de 120 novos casos por 100 mil habitantes, esta operação repetir-se-á.