O Presidente da República afirmou hoje que a estratégia nacional para a integração de pessoas sem-abrigo "está a ser repensada" e que a ministra do Trabalho tenciona "chamar a ela própria, sem delegação de poderes, esta causa".

Marcelo Rebelo de Sousa prestou declarações sobre este tema à saída do Espaço Júlia - Resposta Integrada de Apoio à Vítima, em Lisboa, questionado sobre a notícia de que a Câmara Municipal do Funchal sinalizou 94 casos de pessoas em situação de sem-abrigo naquele concelho.

Na resposta, o chefe de Estado referiu que "há uma estratégia", a Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas em Situação de Sem-Abrigo (ENIPSSA), "que está a ser repensada para se aproximar mais da realidade".

Há a intenção da senhora ministra do Trabalho [da Solidariedade e da Segurança Social, Ana Mendes Godinho] de chamar a ela própria, sem delegação de poderes, esta causa", adiantou.

O Presidente da República referiu que os dois estiveram juntos nas ruas de Lisboa, no início deste mês, para fazer um ponto da situação, e que "daqui a oito dias" estarão numa iniciativa idêntica no Porto.

E iremos correndo o território nacional, continental e regional, naturalmente, respeitando as autonomias regionais, como é próprio, nos Açores e na Madeira" acrescentou.

Marcelo Rebelo de Sousa voltou a advertir que o número de pessoas em situação de sem-abrigo aumenta quando surge "qualquer problema relacionado com desaceleração económica, com períodos transitórios de desemprego" e que "a resposta tem de acompanhar essa alteração".