Um em cada três portugueses avalia de forma negativa a atuação do Presidente da República no processo do imigrante ucraniano morto nas instalações do SEF.

É o resultado da sondagem TVI/Observador/Pitagórica, que mostra também que a maioria dos inquiridos considera que Marcelo Rebelo de Sousa devia ter exigido a demissão do ministro da Administração interna e devia ter telefonado à família do cidadão ucraniano.

Só 18 por cento dos inquiridos defendem que a atuação do Presidente neste caso foi boa ou muito boa, 29% acredita que Marcelo esteve mal ou muito mal e 49% avalia a atuação do Presidente como meramente razoável.

Mas há mais críticas a Marcelo Rebelo de Sousa: a maioria dos inquiridos, 59%, diz que o presidente devia ter feito um telefonema à família e uma maioria ainda mais esmagadora, 69%, vai mais longe e responde que o Presidente devia ter exercido a sua influência para o Estado indemnizar mais cedo a família do imigrante ucraniano.

Em matéria de consequências políticas, há 50% a defender que o Presidente da República devia ter exigido a demissão do ministro da Administração Interna e 42% que não defende esta tomada de posição.

Sobre a indemnização propriamente dita, a grande maioria está de acordo e considera que o Governo tomou uma boa decisão: 74% manifesta-se nesse sentido, contra 9, que diz ser uma má decisão.

Esta sondagem foi feita pela Pitagórica para a TVI e jornal Observador, entre os dias 17 e 27 de dezembro, com 629 entrevistas telefónicas. O grau de confiança é de 95,5%, para uma margem de erro de 3,99%.

A Ficha técnica completa, bem como todos os resultados, foram disponibilizados junto da Entidade Reguladora da Comunicação Social que os disponibilizara oportunamente para consulta online.

Joana Reis