Está em curso uma recolha de assinaturas para avançar com um Conselho Nacional extraordinário no PSD para derrubar Rui Rio.

A confusão no maior partido da oposição não é de agora, mas está a ganhar novos contornos. Ninguém dá a cara pela iniciativa, mas a recolha de assinaturas terá partido de várias distritais.

Junta-se mais um ingrediente à receita: Manuela Ferreira Leite, voz de respeito dentro do partido, disse preferir um pior resultado do que um rótulo de direita colado ao PSD.

Luís Montenegro, que anda a rondar desde que deixou a bancada parlamentar, não só respondeu a Ferreira Leite, como agarrou a nova oportunidade. 

Evidencia um derrotismo que, de todo em todo, é o ambiente menos próprio de um partido com a vocação do PSD em vésperas de eleições. Em breve trecho direi qual é a minha avaliação sobre o momento político do PSD, sobre aquilo que deve ser o futuro do PSD. Estou absolutamente convencido que para continuarmos a ser grandes, vencedores, nós temos de mudar”.

Foi o que disse na redação da TVI24. Horas depois, no comentário semanal na estação de Queluz de Baixo, Manuela Ferreira Leite respondeu assim:

As minhas ideias não mudam pelo facto de haver mais ou menos pessoas que aderem a elas. Estou neste momento absolutamente à vontade e livre de ter a minha opinião pela simples razão de não estar à espera de nada, nem quero nada”.

No olho do furacão, Rui Rio não comenta o que não ouviu. O presidente do PSD não respondeu à insistência dos jornalistas, mas os próximos dias podem obrigá-lo a uma reacção.

Montenegro promete anunciar se é candidato muito em breve e já amanhã será um dos oradores da convenção do MEL, o Movimento Europa e Liberdade.

Alexandra Monteiro