O presidente do PSD acusou,neste sábado, o PS de mentir sobre acordos nacionais ou cedências dos sociais-democratas ao Chega e refere que foram os socialistas que, em 2015, fizeram um acordo escrito com BE e PCP para governar.

Em publicações colocadas de madrugada na sua conta oficial da rede social Twitter, Rui Rio acusa ainda a “família socialista de se achar a legítima proprietária dos Açores”.

O PS, que fez um acordo escrito e se entregou ao BE e ao PC em muitas leis e em todos os Orçamentos do Estado desde a Geringonça/2015, veste-se agora de virgem ofendida por não conseguir uma maioria nos Açores”, escreve Rio, na sua última publicação, divulgada pelas 02:00.

Para o líder do PSD, “o PS sabe que mente, quando agita acordos nacionais e coligações do PSD com o Chega”.

O PS sabe que mente, quando inventa cedências do PSD a ideias do Chega em matéria de revisão constitucional; joga baixo e tenta baralhar os portugueses”, critica, acrescentando que “a família socialista acha-se a legítima proprietária dos Açores, e, no seu desespero, perdeu a noção da decência”.

Na noite de sexta-feira, Rio já tinha, também através do Twitter, visado diretamente o secretário-geral, José Luís Carneiro, que em conferência de imprensa durante a tarde acusou o PSD liderado por Rui Rio de virar as costas ao fundador Sá Carneiro e de negociar o apoio do Chega a uma solução governativa nos Açores, tendo como moeda de troca a revisão da Constituição.

“Entre asneiras ou mentiras contei 19 (algumas repetidas), o que dá 3,1 por minuto de intervenção. Três recordes batidos: o de asneiras por minuto; o do maior descaramento político pós geringonça/2015; e o do desespero “familiar-ó-insular. Pior ainda, o PS sabe que está a mentir”, escreveu, então, Rio.

Em declarações aos jornalistas no Parlamento na sexta-feira, o vice-presidente do PSD André Coelho Lima recusou que haja qualquer acordo nacional com o Chega, quer sobre revisão constitucional quer sobre coligações, e acusou o PS de “topete”, dizendo que foram os socialistas os primeiros a fazerem “os entendimentos necessários” para governar.

Não há qualquer moeda de troca com a revisão constitucional, não há acordo nacional do Chega com o PSD”, afirmou o dirigente social-democrata, explicando que foram “transmitidos a elementos” do Chega os princípios do projeto de revisão constitucional que os sociais-democratas pretendem apresentar na atual sessão legislativa.

Em causa está o anúncio feito na sexta-feira pelo Chega de que “vai viabilizar o governo de direita nos Açores”, após ter chegado a um acordo com o PSD em “vários assuntos fundamentais” para aquela região autónoma e para o país.

Quanto à exigência nacional que tinha sido feita pelo partido de que o PSD participasse no processo de revisão constitucional iniciado pelo Chega, André Ventura disse ter obtido garantias para o futuro.

/ CM