A passagem do furacão Leslie pela zona da Figueira da Foz provocou muitos estragos, como a queda de árvores e estruturas, além da invasão das avenidas junto ao mar por areia. Muitas pessoas tiveram de se abrigar no parque de estacionamento de um centro comercial, conforme constatou a reportagem da TVI24 no local.

Vários carros em circulação na estrada foram atingidos pela queda de árvores.

VEJA TAMBÉM:

O repórter da TVI António Crespo testemunhou em Buarcos, Figueira da Foz, uma situação de pânico, com "árvores a serem levadas pelo vento para o meio da estrada, a caírem junto a viaturas em circulação", com sinais de trânsito e outras estruturas, como cadeiras e grades de trânsito, a serem projetados pelo vento forte.

Pelas 22:15, a cidade ficou às escuras sem eletricidade.

A intensidade do vento aumentara cerca das 22:00 e levantou uma cobertura de uma esplanada junto a uma unidade hoteleira da cidade. As pessoas que foram à marginal assistir à passagem do furacão Leslie foram obrigadas a proteger-se nas arcadas ou nos interiores dos prédios, relata a Lusa.

Dezenas de árvores caídas

No distrito de Leiria há registo de dezenas de quedas de árvores, assim como nos distritos de Guarda, de Coimbra e de Viseu.

Em algumas zonas de Coimbra não há eletricidade e a intensidade do vento começou a aumentar por volta das 22:45, mantendo se muito intenso às 23:15.

O Furacão Leslie provocou até às 22:45 a queda 120 árvores nos distritos de Setúbal, Lisboa e Leiria, os mais afetados até às 22:30, tendo sido já registadas mais de 200 ocorrências, informou hoje a Proteção Civil.

Mais de 15.000 habitações estavam sem fornecimento de energia elétrica esta noite, devido à passagem da tempestade tropical Leslie.

Segundo a mesma fonte, o maior número de habitações afetadas localiza-se nos concelhos de Pombal, Marinha Grande e Leiria, no distrito de Leiria, representando “uma área muito significativa” da extensão dos danos.

O furacão Leslie está a atingir o território continental como depressão pós-tropical, mas com ventos com "intensidades equivalentes a uma tempestade tropical", com rajadas acima dos 130 quilómetros/hora que podem chegar a máximos históricos de 180/190 quilómetros/hora, segundo o meteorologista do IPMA Nuno Moreira.

De acordo com a Proteção Civil, o período crítico deverá prolongar-se até às 04:00 de domingo.