Pelo menos 207 pessoas morreram, entre as quais nove estrangeiras, e mais de 469 ficaram feridas este domingo depois de registadas oito explosões em quatro hotéis, um complexo residencial e três igrejas no Sri Lanka. A cônsul de Portugal em Colombo, Preenie Pine, confirmou que existe um português entre as vítimas mortais.

Entretanto, sete pessoas foram detidas pelas autoridades por suspeitas de envolvimento nos rebentamentos mortais, escreveu o responsável pelas Reformas Económicas nas redes sociais.

Após as oito explosões, o Governo decretou o Estado de Emergência e a polícia impôs o recolher obrigatório com efeito imediato perante o perigo de novos ataques.

O número de suspeitos detidos subiu de oito para 13, segundo um porta-voz da polícia, citado pela agência The Associated Press. Foi igualmente apreendido um veículo que deverá ter sido usado para transportar os suspeitos para Colombo. As autoridades identificaram ainda uma casa usada pelos suspeitos.

O primeiro-ministro, Ranil Wickremesinghe, indicou que até agora os nomes são "nacionais", mas os investigadores estão à procura de eventuais "ligações com o estrangeiro".

Oito explosões no total e em diferentes locais

As primeiras seis explosões ocorreram "quase em simultâneo", pelas 8:45 (3:15 em Portugal), em três hotéis de luxo e uma igreja em Colombo, outra em Katana, a oeste do país e a terceira em Batticaloa, a este da ilha, explicou Gunasekara.

A sétima detonação, que provocou duas mortes, registou-se horas mais tarde num pequeno hotel situado a cerca de 100 metros do jardim zoológico de Dehiwala, um subúrbio a uma dezena de quilómetros do centro de Colombo.

Já a oitava e última explosão, até ao momento, teve lugar num complexo de vivendas na zona de Dermatagoda, também na capital, sem que as autoridades tenham revelado mais detalhes para já.

Uma nona bomba foi descoberta numa estrada perto do Aeroporto Internacional de Bandaranaike (BIA), que serve principalmente a cidade de Colombo e fica na zona norte. 

"Foi descoberto um tubo de PVC de 1,8 metros de comprimento contendo explosivos", contou ao The Sunday Times o porta-voz da Força Aérea, Gihan Seneviratne, tendo sido detonado.

Um jornalista da Sky News estava nesse aeroporto no momento da detonação. “Apenas ouvi uma explosão à distância. Espero que tenha sido uma detonação". O aeroporto foi encerrado.

Para já, ninguém reclamou a autoria dos ataques coordenados, sendo que as autoridades estão empenhadas em prestar atenção especial à eventual difusão de notícias falsas que possam gerar confusão ou atos de represália contra algum grupo étnico ou religioso.

Desta forma, o Governo do Sri Lanka decretou um bloqueio temporário às redes sociais para impedir a difusão “de informações incorretas” relacionadas com a vaga de explosões que aconteceram na ilha.

O Governo decidiu bloquear todas as plataformas de redes sociais para evitar a disseminação de informações incorretas e falsas. Essa é apenas uma medida temporária”, afirmou a presidência em comunicado.

Veja também:

A comunidade internacional reagiu com comoção perante a tragédia, com as autoridades dos países vizinhos, como a India, Paquistão e Indonésia, e também da União Europeia (UE), Alemanha, Bélgica, Holanda, Portugal, Espanha e Turquia, assim como as igrejas cristãs na Terra Santa.

Português entre as vítimas: "jovem com cerca de 30 anos"

Em declarações à Lusa via telefone, a cônsul avançou que entre as vítimas está “um jovem português, com idade que ronda os 30 anos”, que se encontrava num dos hotéis atingidos por uma das explosões que ocorreram este domingo.

Apurou a TVI que o jovem, natural do centro do país, estaria no Sri Lanka em lua de mel.

De acordo com a cônsul há mais portugueses no país, mas “estão todos bem”, acrescentando que está a dar apoio à mulher da vítima.

É um dia muito triste, estamos chocados”, adiantou.

Há pelo menos 33 cidadãos estrangeiros de oito países entre os mortos, sendo que até agora já se fez esta correspondência:

  • 5 britânicos, incluindo 2 cidadãos com dupla nacionalidade EUA-Reino Unido
  • 3 indianos
  • 3 dinamarqueses
  • 2 chineses
  • 2 turcos
  • 1 holandês
  • 1 português

Portugueses tentam chegar ao aeroporto antes de recolher obrigatório

Dois turistas portugueses que estão de visita, com os filhos, ao Sri Lanka, vão tentar chegar ao aeroporto horas antes do voo, tentando evitar o recolher obrigatório no país, que começa às 18:00 locais, disse uma filha à Lusa.

Ana Inácio explicou à Lusa que os pais, que tinham previsto sair do país às 24:00 locais, vão para o aeroporto “várias horas antes”, para poder evitar o recolher obrigatório decretado na sequência dos ataques que hoje provocaram, pelo menos, 187 mortos, entre os quais um português.

Só têm voo à meia-noite de hoje, mas vão ver se conseguem partir para lá já e não ficarem em terra. O nosso hotel em Negombo informou-nos que o recolher obrigatório é a partir das 18:00 e até as seis da manhã de amanhã [segunda-feira] e ninguém está autorizado a circular no Sri Lanka”, disse a filha do casal que está a terminar um curto período de férias no país.

Isto é desolador”, contou a portuguesa que está com a família num hotel a cerca de um quilometro a norte da igreja de São Sebastião, em Negombo, uma das igrejas onde ocorreu uma explosão

Governo avisado dez dias antes

O governo do Sri Lanka chegou a ser avisado de um possível ataque e solicitou um reforço de segurança, pelo que disse uma fonte da polícia à CNN. O documento que o prova é datado de 11 de abril, de há dez dias, portanto, e foi assinado pelo vice-inspetor geral de polícia do país.

O ministro de Telecomunicações do Sri Lanka, Harin Fernando, publicou no Twitter uma foto desse documento. "Alguns oficiais dos serviços de inteligência estavam cientes dessa incidência. Portanto, houve um atraso na ação", na concretização dos ataques.

Some intelligence officers were aware of this incidence. Therefore there was a delay in action. What my father heard was also from an intelligence officer. Serious action need to be taken as to why this warning was ignored. I was in Badulla last night pic.twitter.com/ssJyItJF1x

— Harin Fernando (@fernandoharin) 21 de abril de 2019

Radicais islâmicos suspeitos das oito explosões no Sri Lanka

As oito explosões resultaram de bombistas suicidas, revelaram investigações iniciais, citadas pelo jornal britânico Daily Mirror, que apontam para radicais islâmicos na origem dos ataques.

As investigações aos ataques no Sri Lanka revelaram até agora que duas pessoas fizeram 'check-in' para o quarto 616 do hotel Shangri-La no sábado, 20 de abril, um dos quatro hotéis de luxo que foram alvo de explosões em Colombo, capital do Sri Lanka.

As imagens do circuito fechado de televisão revelaram que os suspeitos detonaram as bombas no restaurante e no corredor do hotel. Os investigadores suspeitam que foram usados explosivos C-4 com 25 quilos nos ataques ao hotel Shangria-La.

No hotel Grand Cinnamon, um bombista suicida esperou pacientemente numa fila do buffet do pequeno-almoço para se fazer explodir, segundo a AFP. O homem tinha-se registado no hotel na noite anterior como Mohamed Azzam Mohamed e estava prestes a ser servido quando acionou os explosivos, estava o restaurante  lotado, reportou o gerente do hotel à agência de notícias, que falou sob a condição de anonimato.

Houve um caos absoluto. Era 8h30 da manhã e estava cheio. Eram famílias., Ele chegou ao limite da fila e detonou a explosão. Um de nossos gerentes que estava a receber clientes está entre as pessoas que tiveram morte imediata".

O bombista suicida também morreu. Partes de seu corpo foram encontradas intactas pela polícia, que as recolheu para identificação. Este indivíduo deu uma morada falsa e alegou estar na cidade em negócios.  

Os investigadores que invadiram o quarto 616 recuperaram material usado por radicais islâmicos, confirmaram fontes. Segundo o mesmo jornal, ainda não é claro se os bombistas suicidas eram locais ou turistas internacionais que chegaram à ilha com vistos de turista.