A Audiência Provincial das Astúrias autorizou a libertação dos dois portugueses acusados da violação de duas jovens na cidade espanhola de Gijón, na sequência de um recurso movido pelo advogado. Os rapazes naturais do norte de Portugal estavam detidos desde julho, depois de uma noite em que levaram duas raparigas para o quarto de um hotel, sendo depois acusados, com outros dois amigos, de violação.

Desta forma, os portugueses vão aguardar julgamento em liberdade, tendo deixado o centro penitenciário das Astúrias depois de os familiares terem pago cinco mil euros de fiança. Além disso, os jovens ficaram também sem o passaporte, sendo ainda obrigados a ficar a pelo menos 300 metros das denunciantes e impedidos de sair da Península Ibérica.

O juiz deu razão ao recurso à decisão de prisão preventiva que apresentámos”, disse Germán Inclán, que esteve à porta da prisão nas Astúrias.

Os jovens devem assim regressar a Braga, onde estão os outros dois amigos implicados no processo, que inicialmente também foram detidos, mas acabaram libertados.

Os dois suspeitos foram detidos a 24 de julho, com mais outros dois cidadãos portugueses, por suposta violação e abusos sexuais a duas mulheres de 22 e 23 anos, numa pensão em Gijón, no norte de Espanha.

As duas mulheres denunciaram a agressão sexual na esquadra policial às 06:30, explicando que tinham conhecido um homem num bar e que viajaram com ele para a pensão onde este estava hospedado, para um encontro sexual.

Segundo o relato das vítimas, no caminho para a pensão juntou-se um outro homem e, ao chegarem à sala, encontraram dois outros portugueses que as terão obrigado a manter relações sexuais com todos eles.

António Guimarães