O condutor do camião que circulou na segunda-feira cerca de três quilómetros em contramão na Segunda Circular, em Lisboa, causando vários acidentes e dois feridos graves, ficou hoje sujeito à medida de coação de proibição de condução.

A informação foi avançada à agência Lusa por fonte policial, acrescentando que o arguido ficou ainda com Termo de Identidade e Residência, depois de presente, durante a tarde de hoje, a um juiz de instrução criminal do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa para aplicação de medidas de coação.

O homem foi detido na segunda-feira pela PSP, pelas 07:20, depois de o camião que conduzia ter entrado em contramão Segunda Circular, na zona da Alta de Lisboa, no sentido Norte-Sul (Aeroporto-Benfica), provocando vários acidentes, dois feridos graves e danos em oito viaturas, além do próprio veículo pesado que também ficou danificado.

Numa conferência de imprensa realizada na segunda-feira, o porta-voz da Direção Nacional (DN) da PSP disse desconhecer as “motivações” que levaram este condutor a circular em contramão na via mais movimentada da cidade.

“Desconhecem-se as motivações e causas concretas do arguido para a prática dos referidos factos, tendo a sua detenção sido comunicada à autoridade judiciária competente. Da análise preliminar aos indícios recolhidos, não se conclui, até ao momento, que o detido tenha praticado estes atos com intenções de natureza extremista ou terrorista”, frisou o intendente Alexandre Coimbra, aos jornalistas.

O suspeito, de nacionalidade portuguesa, foi detido por um polícia à civil que, naquele momento, conduzia na Segunda Circular.

O detido foi sujeito aos “necessários testes de despistagem de álcool e droga, tendo ambos sido negativos”, referiu ainda, na segunda-feira, o porta-voz da DN da PSP.

O intendente Alexandre Coimbra afirmou também que "a notícia dos factos chegou ao conhecimento da PSP via 112" e que os primeiros meios policiais chegaram ao local “cerca de cinco minutos depois” de receberem o alerta da ocorrência, a qual foi igualmente reportada por vários populares.

A PSP disse na segunda-feira que a investigação vai prosseguir no sentido de aferir a existência da prática de outros crimes cometidos pelo arguido, nomeadamente de ofensas contra a integridade física e crimes contra o património (dano).

O homem, de 42 anos, acrescentou a polícia nesse dia, estava apenas indiciado pelo crime de condução perigosa.

O suspeito era funcionário da empresa proprietária do camião, que ficou apreendido e encontra-se à guarda da PSP.

O trânsito na Segunda Circular esteve cortado durante várias horas nesse sentido, sendo reaberto pelas 11:00.