A Polícia de Segurança Pública (PSP) descarta, neste momento, a possibilidade de o acidente com um camião em contramão na 2.ª Circular, nesta manhã, se ter tratado de um ato terrorista ou extremista.

Da análise preliminar aos indícios recolhidios não se conclui, até ao momento, que o detido tenha praticado o ato com intenções de natureza extremista ou terrorista", afirmou o subintendente da PSP, Alexandre Coimbra, em conferência de imprensa realizada nesta tarde.

No entanto, as autoridades ainda "desconhecem as motivações" do condutor, português, de 42 anos, cujos testes de despistagem de álcool ou drogas no sangue "foram negativos". Segundo a PSP, este homem, questionado no local pelas autoridades, não se lembrava de como tinha entrado em contramão mas não apresentava um discurso incoerente.

O condutor do pesado, funcionário da empresa Renascimento - Gestão e Reciclagem de Resíduos, com sede em Loures, foi "imobilizado e detido" no local pelo mesmo agente que, a caminho do trabalho, se deparou com o camião em contramão na 2.ª Circular, explicou, ainda, a PSP.

Este agente "vestiu o colete" que o identificava como polícia, abordou o condutor, que "não ofereceu resistência", e retirou as chaves da ignição.

O detido vai ser presente, na terça-feira, a primeiro interrogatório judicial para aplicação de medidas de coação, sendo certo que, neste momento, é suspeito do "crime de condução perigosa de veículo", mas pode ainda ser indiciado pelos crimes de ofensas à integridade física e danos contra o património, caso a investigação, que decorre, assim o determine.

Do acidente resultaram "dois feridos graves e danos em oito viaturas ligeiras", tendo o camião ficado "apreendido e à guarda da PSP".

Inicialmente, as informações apontavam para um ferido grave e dois ligeiros, mas a PSP reviu o balanço para apenas dois feridos graves.

Quanto ao ponto de entrada em contramão, a PSP acredita que tal terá acontecido pela Avenida Santos e Castro, na Alta de Lisboa, devido a alguns "danos no separador central", tendo entrado na 2.ª Circular em sentido contrário e só parado "quase na Rotunda do Relógio". 

Motorista do camião sem registo de incidentes

A empresa de resíduos Renascimento, proprietária do camião, lamentou o sucedido, mas ressalvou que o motorista envolvido tem 12 anos experiência “sem qualquer incidente registado”.

Em comunicado, a administração da Renascimento disse que “não pode deixar de lamentar o sucedido” e sublinhou que o motorista do pesado “é colaborador há 12 anos e não tem “qualquer incidente registado”.

“O mesmo colaborador dispõe de toda a formação requerida para o exercício da sua função, tendo participado, ainda este ano, numa formação “Eco-condução para pesados”, referiu ainda a empresa, acrescentando que todos os seus colaboradores “têm os exames médicos em dia e têm o registo criminal limpo”.

A empresa refere, ainda, que está a colaborar com as autoridades “de forma a compreender a razão” do acidente.

“Continuaremos a acompanhar o processo e aguardamos as conclusões preliminares do mesmo”, concluem.