O comando detido, quarta-feira, por suspeita de ter matado um colega no Regimento da Carregueira, em Sintra, foi o militar que deu o alerta aos seus superiores no passado dia 21 de setembro, sabe a TVI.

A vítima, Luís Teles, um militar de 23 anos, natural da Madeira, foi encontrado morto a 21 de setembro, na zona dos paióis, com um tiro de G3.

O militar suspeito foi quem alertou os superiores do Regimento dos Comandos para o incidente, depois de, alegadamente, ter ouvido um disparo.

Este militar foi uma das testemunhas ouvidas pela Polícia Judiciária Militar no dia em que a vítima foi encontrada morta.

A TVI sabe que, na altura do seu depoimento, o comando, que estava de serviço nos paiós da Carregueira, e sozinho, disse à PJ Militar que a vítima, Luís Teles, pediu-lhe uma G3. o que ele não estranhou, e que, segundos depois, ouviu um disparo e viu o colega caído no chão.

A TVI sabe também que a vítima foi alvejada pelas costas e que a bala entrou e saiu pelo coração.

O "presumível homicídio" ocorreu, naquele regimento, às 19:42, anunciou no mesmo dia o Exército, que chamou ao local a PJM e a PSP.

O jovem militar, que "estava já de descanso de fim de semana", segundo explicou na altura a porta-voz do Exército, estava sozinho e foi encontrado no chão, perto da arma.

O detido, alvo de um mandado de detenção do Ministério Público de Sintra, vai ser presente a interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação nesta sexta-feira.