Com o esperado pico da gripe para esta semana e temperaturas que vão baixar até -5 graus, devemos redobrar a atenção nos cuidados a ter para evitar sucumbir a uma gripe. O plano de inverno da Direção-Geral da Saúde já está ativo e podem vir aí dias complicados.

Para começar, existem vários grupos de pessoas que são mais suscetíveis a estas doenças: crianças; fumadores e doentes respiratórios crónicos (doença pulmonar obstrutiva crónica, asma, enfisema pulmonar, entre outras patologias). Em dezembro, mais de metade das pessoas com mais de 65 anos já tinha sido vacinada.

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, admitiu que a gripe possa entrar em período epidémico esta semana, mas disse que a situação atual é “de normalidade”. Explicou ainda que nesta altura, em Portugal e na Europa, circulam vírus com “baixa intensidade” e que não se entrou ainda no período epidémico, o que deve acontecer dentro de “poucos dias” ou “uma semana”.

Proteja-se do frio e não vá logo às urgências

A responsável alertou para a necessidade de as pessoas se protegerem do frio e salientou que este é o “período do ano de maior atividade para desenvolver fatores de risco”, pelo frio, pela gripe e por outros vírus, e aconselhou a população a não procurar as urgências dos hospitais como primeira opção. Graça Freitas aconselhou também as pessoas a não tomarem antibióticos por iniciativa própria porque não são eficientes em doenças que são virais. 

O grande conselho que damos é que não vão diretamente à urgência. A primeira porta de entrada no sistema de saúde nesta altura de gripe e de doenças infeciosas é, de facto, o SNS 24. 808 24 24 24: neste serviço há enfermeiros treinados para fazer triagem. O centro de contacto acompanha as pessoas e volta a fazer-lhes várias chamadas para saber se está tudo bem.”

É importante distinguir os sintomas das gripes e das constipações para uma prevenção mais eficaz:

GRIPES CONSTIPAÇÕES
A gripe é uma doença aguda viral que afeta as vias respiratórias. Trata-se de uma infeção das vias respiratórias superiores provocada por um vírus.
A transmissão do vírus da gripe é feita através de espirros ou de tosse. A transmissão ocorre de indivíduo para indivíduo, através do contacto com as secreções respiratórias da pessoa infetada. Para que isso aconteça, basta que alguém perto de si tussa, espirre ou, até, fale muito perto.
Prevenção Prevenção
Vacinação, que deve ser anual, durante os meses de outono/inverno. Deve lavar frequentemente as mãos, tossir ou espirrar para um lenço de papel ou para o antebraço.
O contágio é evitado através do uso de máscara, isolamento e lavagem frequente das mãos com água e sabão. Caso tenha algum sintoma de constipação, deve descansar, ingerir vários líquidos (água, sumos, infusões/chá), proteger-se contra o frio e evitar ambientes com fumo. Pode ainda utilizar soro fisiológico para aliviar a obstrução nasal.
Quando tossir ou espirrar, utilize um lenço de papel ou o antebraço para tapar a zona da boca. Caso tussa ou espirre para as mãos deve lavá-las imediatamente. A toma de paracetamol ajuda a aliviar as dores e/ou a baixar a febre. Quanto a antibióticos, não tome sem receita médica.
Para aliviar as queixas, recomenda-se o repouso em casa, a toma de paracetamol para baixar a febre, o uso de soro fisiológico para diminuir a congestão nasal e beber muitos líquidos (água, sumos, infusões/chá) ao longo do dia.  
Sintomas Sintomas  
Entre os sintomas mais comuns associados à gripe incluem-se mal-estar repentino, dores de cabeça, musculares/articulares, febre alta e, em alguns casos, olhos inflamados. As queixas mais comuns são congestão e corrimento nasal intenso, comichão e vermelhidão no nariz, diminuição ou perda do olfato e do paladar, espirros, olhos lacrimejantes, dor de cabeça e/ou de garganta e, eventualmente, febre baixa.

Vacina da gripe é gratuita para alguns grupos de risco

A vacina da gripe já está disponível desde meio de outubro. É gratuita e sem necessidade de receita médica no Serviço Nacional de Saúde para pessoas a partir dos 65 anos, residente em lares e para alguns doentes crónicos.

Também passou a ser gratuita para reclusos e guardas prisionais, bem como para pessoas com doença pulmonar obstrutiva crónica, que se juntam assim a outros grupos para quem a vacina era já gratuita.

A última avaliação do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, em Lisboa, indica que a gripe já passou à fase de epidemia, com um número de casos acima do esperado, apesar de Portugal ainda não ter atingido o pico. Mesmo assim, já há urgências a rebentar pelas costuras.

Milhares de pessoas acorreram às urgências no fim de semana e  os tempos de espera recomendados quadruplicaram em alguns casos. Esta segunda-feira, temia-se que o problema se mantivesse, mas a situação normalizou-se.

Veja também:

/ MC