O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta quarta-feira que um novo "Estado de Emergência não está em cima da mesa", lembrando que a situação pandémica que o país atravessa não pode ser comparada ao passado.

Lembrem-se quando eu não renovei o segundo Estado de Emergência, nós estávamos naquelas fasquias que eu considerava relevantes e que estão muito longe das atuais, quer a nível do número de internados em cuidados intensivos, quer de internados no geral", continuou, dizendo que "não é uma questão que se coloque". 

Aos jornalistas, Marcelo disse que a evolução da pandemia na Europa no geral e em Portugal, em particular, "está a ser acompanhada".

Vamos ter a reunião do Infarmed na sexta-feira e, em função daquilo que for exposto naturalmente que no mesmo dia terei a audiência habitual com o primeiro-ministro e veremos se há, ou não, a ideia de adotar algumas medidas sobretudo nos casos em que as medidas estão a terminar o período de vigência", relatou, referindo-se às medidas cujo o prazo de vigência está previsto terminar no final do mês de novembro. 

Marcelo reforçou que é a favor da utilização da máscara e lembrou que "se o Governo decidir pelo uso de máscara na rua, acompanha".

Vamos vacinar e vacinar rapidamente nas próximas semanas porque isso é bom para todos", rematou o presidente, que avançou também já ter recebido a terceira dose da vacina contra a covid-19 no dia em que recebeu a vacina contra a gripe e que não sofreu qualquer sintoma associado.

Lembre-se que Portugal sofreu esta quarta-feira um agravamento do número de casos da covid-19, registando mais 2.527 novos casos nas últimas 24 horas.

Este foi o maior número de novos infetados desde o dia 2 de setembro.