O Governo anunciou esta quinta-feira que Lisboa vai entrar numa situação de alerta.

A região de Lisboa e Vale do Tejo tem e continua com níveis de incidência crescentes e esses níveis de incidência são motivo de preocupação", disse a ministra de Estado e da Presidência após a reunião do Conselho de Ministros.

 

Sempre que nós temos um foco, sempre que nós temos na verdade um caso existe risco de contágio. É essa a natureza da ação que nós aqui procuramos. Quando nós encontramos um foco, um conjunto de casos, um sueto, uma localidade onde há crescimento, procurar controlar porque o risco de contágio, o risco de alastramento, o risco de que o resto dos concelhos de uma mesma região também cresça existe e é por isso que é importante termos as medidas, é por isso que é importante continuarmos, cada um de nós a cumprir as regras porque o risco existe", adiantou a governante.  

O Governo fez ainda um apelo para que todas as pessoas continuem a cumprir as regras.

Apesar de continuarmos numa zona de muito baixa incidência, pedia mais uma vez a todos que respeitassem as regras de distanciamento, de utilização da máscara, que atentassem a todas as restrições que ainda continuam ativas neste momento".

Mariana Vieira da Silva revelou ainda em detalhe quais são os concelhos que avançam e recuam no desconfinamento e que o país vai manter-se em situação de calamidade, pelo menos, até 13 de junho.

Plano de recuperação de aprendizagens apresentado no dia 1 de junho

O Governo vai apresentar no dia 1 de junho plano para a recuperação de aprendizagens afetadas pela pandemia da covid-19.

A data escolhida pelo executivo para a apresentação do plano, e que coincide com o Dia Mundial da Criança, foi apontada por Mariana Vieira da Silva no final da reunião do Conselho de Ministros.

Lara Ferin