O Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Évora determinou a prisão preventiva para os seis detidos, no Baixo Alentejo, por suspeitas de tráfico de pessoas, auxílio à emigração ilegal e associação de auxílio à imigração ilegal.

A medida de coação mais gravosa foi aplicada após primeiro interrogatório judicial, divulgou esta sexta-feira o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora na sua página de Internet.

A juiz de instrução decidiu aplicar a todos os arguidos a medida de coação de prisão preventiva, por entender verificarem-se, em concreto, os perigos de fuga, perturbação do decurso do inquérito e de continuação da atividade criminosa", refere o comunicado.

As seis pessoas, todas de nacionalidade romena e com idades entre os 22 e 47 anos, foram detidas, na terça-feira, em várias localidades do Baixo Alentejo, numa operação que identificou mais de 200 estrangeiros em situação de exploração laboral.

Segundo o DIAP de Évora, a operação, que contou com a participação de elementos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), envolveu a realização de "diligências de busca e apreensão" em cumprimento de mandados de busca domiciliária e não domiciliária.

Durante as buscas, adianta, foram apreendidas "quantias em dinheiro, automóveis, munições e tabaco", além de terem sido "identificadas mais de duas centenas de cidadãos estrangeiros em situação de exploração laboral".

O DIAP de Évora realça que "as vítimas, oriundas de países do leste da Europa, eram colocadas em território nacional e sujeitas a exploração laboral em tarefas agrícolas".

O inquérito e as respetivas diligências de investigação vão prosseguir, sendo o MP coadjuvado pela Direção Central de Investigação do SEF.