Os diretores escolares pedem às autarquias que aumentem os horários dos transportes escolares, em especial nas zonas do interior, caso contrário os alunos terão de permanecer durante todo o dia nas escolas.

Neste momento precisamos que as autarquias façam um esforço financeiro e dupliquem os transportes escolares que os alunos usam para ir e vir da escola, em especial no interior do país”, disse o presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima.

Os diretores escolares lembram os milhares de alunos que vivem longe das escolas e precisam de usar transportes que, até agora, faziam apenas uma viagem de manhã e outra ao final da tarde.

Na próxima segunda-feira, os alunos do ensino secundário voltam a ter aulas presenciais, depois de dois meses com ensino à distância, mas as regras dentro das escolas mudaram devido à pandemia de Covid-19.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu um conjunto de orientações para tentar minimizar o risco de infeção, entre as quais está a divisão das turmas por turnos: uns alunos passam a ter aulas apenas de manhã e outros à tarde.

Os diretores escolares dizem que a medida foi tida em conta neste processo de regresso às aulas presenciais, mas se não houver um reforço de transportes públicos durante a hora do almoço, “os alunos vão continuar todo o dia fora de casa”.

Também o presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), Manuel Pereira, já tinha alertado para a necessidade de reforçar os transportes escolares.

Diretores, professores e funcionários têm trabalhado para o regresso às aulas presenciais dos alunos do 11.º e 12.º anos assim como para os alunos do 2.º e 3.º anos dos cursos de dupla certificação do secundário.

As orientações da DGS estão a ser postas em prática nas cerca de 500 escolas que, no início desta semana, começaram também a receber o material de higienização e de proteção individual.

O material está a chegar às escolas e certamente este não será um problema. Genericamente está tudo preparado. Pode haver casos pontuais de problemas em escolas que são muito grandes ou que estão em obras. Mas neste momento as escolas têm os recursos disponíveis para poder reabrir na segunda-feira”, disse Manuel Pereira.

Os horários dos professores e a composição das turmas já estão desenhados para que as aulas presenciais possam recomeçar cumprindo as regras de distanciamento.

Há casos em que as turmas vão passar a ter aulas em espaços maiores, como pavilhões polidesportivos ou anfiteatros, e outros em que as turmas foram desdobradas em dois grupos para que os alunos não estejam muito próximos, acrescentou Filinto Lima.

O Ministério da Educação autorizou as escolas a contratar mais docentes em caso de necessidade, mas Filinto Lima lembrou que as escolas começam sempre por “recorrer à prata da casa”, podendo aumentar a componente letiva dos professores ou pagar horas extraordinárias.

Portugal está desde 3 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

/ SS