Subiu para 12 o número de infetados no surto de Covid-19 numa fábrica de conservas em Caxinas, um bairro piscatório em Vila do Conde, apurou a TVI24 junto da Administração Regional de Saúde do Norte.

A presidente da Câmara de Vila do Conde confirmou à TVI24 que a fábrica continua a laborar e que este foco de infeção situa-se sobretudo em duas áreas de produção: conserva de salmão - já encerrada - e a área de frio.

Ainda se aguardam resultados de testes.

Elisa Ferraz confirmou ainda que há um caso preocupante, relacionado com este surto. A filha de uma das funcionárias da fábrica, residente em A Ver-o-mar, na Póvoa de Varzim, frequenta uma creche na localidade.

"A criança frequenta um jardim de infância de uma instituição de solidariedade social na Póvoa de Varzim, mais concretamente na freguesia de A Ver-o-mar, e essa criança estará contaminada e, portanto, a delegação de saúde já está interveniente nessa instituição. Não tenho conhecimento de mais situações", afirmou a presidente da Câmara de Vila do Conde ao início da manhã.

A TVI24 sabe que a criança testou positivo e que a sala dos 3 anos - frequentada pela criança - já foi fechada, havendo alunos em quarentena assim como funcionários que contactaram diretamente com ela.

De acordo com a autarca, a origem do foco deste surto será um familiar de uma funcionária que terá chegado do estrangeiro nos últimos dias.

"O foco localizado em algumas funcionárias foi fruto de alguém que chegou do estrangeiro", afirmou.

Na quarta-feira, sete funcionários, que pertencem a dois departamentos diferentes da fábrica Gencoal S.A, testaram positivo para o novo coronavírus.

A Gencoal S.A tem um universo de cerca de 400 colaboradores e a sua atividade está vocacionada para produção e exportação de conservas de sardinha, cavala e salmão.

João Nápoles / AM - notícia atualizada às 13:53