Frederico Varandas, presidente do Sporting, foi notificado este domingo à noite para se apresentar ao serviço no Exército enquanto durar o estado de emergência, na qualidade de médico e militar, no tratamento de doentes vítimas de Covid-19. Este regresso temporário de Varandas às Forças Armadas é obrigatório e a TVI sabe que o presidente dos leões começa já amanhã de manhã a trabalhar no Hospital das Forças Armadas na observação e tratamento de doentes.

A TVI também apurou que, uma semana antes da notificação, o regresso já estava a ser preparado pelo próprio Varandas, voluntariamente, quando contactou o secretário de Estado do Deporto, João Paulo Rebelo, a disponibilizar o apoio de todo o corpo clínico do Sporting, e dele próprio enquanto médico, no combate à pandemia de Covid-19

Na última quarta-feira, o líder dos leões também entrou em contacto com o diretor dos serviços de saúde das Forças Armadas, a voluntariar-se nomeadamente para começar a receber formação técnica – que aconteceu no dia seguinte, quinta-feira. Agora, enquanto durar o estado de emergência e estiver requisitado ao Exército, Varandas vai avançar com um pedido para que possa acumular funções com a presidência do clube e da SAD.

Numa nota enviada à Lusa, o ministério da Defesa esclareceu que "o capitão Frederico Varandas detinha licença especial para efeitos eleitorais", de acordo com a Lei de Defesa Nacional e que permite a um militar concorrer a eleições. Essa licença caducou "com a entrada em vigor do decreto do Presidente da República", que impôs o estado de emergência, pelo que é determinado "o regresso do militar à sua anterior situação", ainda segundo o esclarecimento do ministério. "Consequentemente, o Exército Português notificou todos os seus militares que detinham licenças com a natureza referida sobre a necessidade de se apresentarem ao serviço", lê-se na nota. Antes disso, o presidente do Sporting já anunciara publicamente através as redes sociais: "Já servi o país, hoje vou voltar a fazê-lo enquanto o estado de emergência durar...e voltarei sempre que Portugal precisar. Vamos... vamos com tudo!", escreveu no Instagram.

Entretanto o Sporting divulgou uma nota, informando que Frederico Varandas voluntariou-se para ajudar na pandemia e que no domingo foi contactado pelo Exército a confirmar a sua participação.

"No passado dia 16 de março, contactou o Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, Dr. João Paulo Rebelo, no sentido de disponibilizar as instalações Pavilhão João Rocha, bem como o campo sintético que está ao lado, para possível hospital de campanha ao governo português, informando também que podiam contar com a ajuda do departamento médico do Sporting Clube de Portugal e do próprio, Frederico Varandas, no combate ao Covid19. Na manhã de 18 de março , Frederico Varandas contactou o Brigadeiro-General Jácome de Castro, Diretor de Saúde Militar do EMGFA, no sentido de voluntariar-se para ajudar no combate à  pandemia mundial actual e sem qualquer convocatória por parte do Exército, Frederico Varandas solicitou também autorização para fazer, no dia 19 de março, uma formação no Hospital Militar em Covid19, autorização essa que foi concedida. Este domingo, dia 22 de março, Frederico Varandas foi contactado telefonicamente pelo Exército a confirmar a sua participação na luta contra a pandemia do novo coronavírus, não tendo porém, até à data, sido notificado por carta oficial para tal efeito. Hoje, dia 23 de março, os serviços do hospital das Forças Armadas, telefonicamente solicitaram a Frederico Varandas o pedido para fazer o requerimento de acumulação de funções, dado o carácter excepcional do presente estado de emergência vigente", divulgou o clube de Alvalade.

 
Henrique Machado