A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) contabilizou este sábado quase 793 ocorrências devido ao mau tempo, sendo os distritos de Lisboa (419), Leiria (79) e Setúbal (69) os mais atingidos, disse à Lusa o comandante da ANEPC.

Num balanço com dados até às 18:00, Pedro Araújo disse haver registo de “321 (ocorrências) associadas a inundações, 111 quedas de estruturas, 124 quedas de árvores e 32 limpezas de via”.

Em termos de infraestruturas atingidas pelo mau tempo, o responsável da ANEPC explicou que a “mais relevante aconteceu na linha ferroviária de Cascais, em São João do Estoril, cortada em ambos os sentidos há cerca de cinco horas e meia” devido à “queda de um cedro”.

Temos ainda inundações que se fizeram sentir com mais intensidade em Algueirão Mem Martins, Cascais e algumas zonas em Lisboa”, assinalou Pedro Araújo, sublinhando serem os “distritos do litoral os mais atingidos pelo mau tempo”, com “todos eles a somar mais de uma dezena de ocorrências”.

Ao longo do dia estiveram envolvidos 1.261 operacionais, que trataram maioritariamente de 453 inundações, 139 quedas de árvores, 114 danificações em estruturas.

No interior do país, continuou o comandante da Proteção Civil, a “Guarda foi o distrito com mais ocorrências, sobretudo limpezas de via e de queda de árvores”, devido ao “vento da parte da manhã que atingiu a velocidade de 110 km/h”.

“Continua a não haver registo de qualquer vítima, apenas danos no edificado e em veículos atingidos pela queda de árvores”, acrescentou.

A Proteção Civil, que tinha os 18 distritos do continente sob alerta amarelo, passou Lisboa e Setúbal a laranja até às 21:00, devido a "chuva forte e persistente nas próximas horas" e também ao "risco de inundações", de acordo com a mensagem de telemóvel enviada aos cidadãos.

Veja também:

O Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA) colocou sob aviso laranja 13 dos 18 distritos de Portugal Continental, incluindo toda a costa do país, e a amarelo cinco distritos do interior devido ao mau tempo.

Os distritos do litoral, incluindo todo o Algarve, estão sob aviso laranja, que se deve sobretudo à precipitação, embora nos distritos mais a norte, Porto, Braga e Viana do Castelo, se deva também ao vento e à agitação marítima.

Já os distritos de Évora, Portalegre, Castelo Branco, Guarda e Bragança estão sob aviso amarelo, assim como as ilhas dos arquipélagos da Madeira e dos Açores.

A situação de alerta amarelo em todo o país vai manter-se depois até às 13:00 de domingo.

Alerta para "cheias relâmpago" em zonas urbanas

A ANEPC alertou, ainda, para a possibilidade de ocorrência de "cheias relâmpago" em zonas urbanas devido à subida do nível dos rios, disse aos jornalistas o adjunto de operações nacional Sérgio Trindade.

Prevê-se que possa haver a ocorrência de cheias relâmpago, muito rápidas, em zonas urbanas que façam inundações rápido e em que as pessoas não tenham hipótese de se movimentar e fugir delas", disse hoje aos jornalistas o responsável, na sede da ANEPC, em Carnaxide (Oeiras), distrito de Lisboa.

Sérgio Trindade acrescentou ainda que situações de cheias poderão também ocorrer em zonas historicamente afetadas pelo fenómeno, como Águeda (distrito de Aveiro), o rio Vez (Viana do Castelo), e nas bacias hidrográficas dos rios Minho, Lima (Viana do Castelo) ou Sorraia (Santarém).

As bacias hidrográficas de todo o país já se encontram a níveis bastante elevados, portanto a precipitação forte e persistente vai tornar as bacias hidrográficas com a sua capacidade no limite", alertou o responsável, o que, com as descargas, poderá provocar inundações.

O responsável frisou que há, de momento, "três tipos de alerta: agitação marítima forte na costa ocidental, o vento forte", e ainda "a precipitação forte e persistente, que começa na zona litoral mais a norte e centro, mas que depois se estenderá a todo o país, ao longo do dia".

O adjunto de operações adiantou ainda a possibilidade de queda de neve em locais com altitude superior a 1.000 metros, no final do dia de domingo.

Setúbal regista 32 ocorrências desde as 08:00

A Proteção Civil registou entre as 08:00 e as 15:00 de hoje 32 ocorrências, sobretudo relacionadas com a queda de árvores e pequenas inundações devido ao mau tempo no distrito de Setúbal.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal disse que, apesar de não se registarem danos significativos, o concelho de Setúbal foi “o mais afetado”.

Das ocorrências indicadas pelo CDOS, destacam-se nove quedas de árvores, outras tantas quedas de estruturas temporárias ou móveis e oito inundação de estruturas ou superfícies por precipitação intensa.

As operações de socorro envolveram, desde as 08:00, um total de 119 bombeiros de diversas corporações, auxiliados por 35 veículos.

Marginal de Oeiras esteve cortada ao trânsito

A marginal de Oeiras eseveá cortada ao trânsito no sentido Cascais-Lisboa devido à queda de chuva intensa, alertou a Câmara.

A marginal encontra-se encerrada ao trânsito entre o Inatel em Oeiras e Paço de Arcos, no sentido Cascais - Lisboa, devido às condições meteorológicas”, referiu a autarquia de Oeiras, distrito de Lisboa, numa mensagem publicada na rede social Facebook.

Por volta das 17:00, as autoridades comunicaram a reabertura da marginal.

Bombeiros chamados a pequenas ocorrências no Funchal e Santa Cruz

Os bombeiros do Funchal e de Santa Cruz foram chamados a algumas inundações, queda de árvores e de pedras, pequenas derrocadas sem danos pessoais, indicou a proteção civil da Madeira.

Uma derrocada no concelho de Santa Cruz obstruiu a faixa de rodagem de uma estrada municipal na freguesia do Caniço, tendo os bombeiros ido ao local para a respetiva sinalização.

O vento no Aeroporto Internacional da Madeira Cristiano Ronaldo tem posto os aviões em espera, "mas até agora todos aterraram", adiantou uma fonte aeroportuária.

Interrompida circulação de comboios na Linha de Cascais devido a queda de árvore

A circulação de comboios na Linha de Cascais encontra-se interrompida entre São Pedro do Estoril e Cascais, desde as 12:45 de hoje, devido à "queda de uma árvore de grandes dimensões”, avançou fonte da Infraestruturas de Portugal (IP).

Os trabalhos de retirada da árvore sobre a via férrea estão a decorrer, com a intervenção de equipas da IP, proteção civil e bombeiros, prevendo-se que a circulação fique normalizada “durante a tarde”, disse à Lusa a mesma fonte.

Face à dimensão da árvore e também dos danos que causou na catenária, ainda vai demorar um pouco”, apontou a IP, adiantando a situação das duas vias, com a circulação de comboios interrompida nos dois sentidos da Linha de Cascais entre São Pedro do Estoril e Cascais.

Apesar desta interrupção, a circulação de comboios mantém-se entre o Cais do Sodré (Lisboa) e São Pedro do Estoril (Cascais), nos dois sentidos, sem perturbações.

Estradas Nacionais 9 e 247 cortadas

A circulação na Estrada Nacional (EN) 9, em Torres Vedras, encontra-se interrompida, devido a inundação da via, enquanto na EN 247, em Colares, Sintra, o corte do trânsito se deve à queda de uma árvore.

Segundo fonte da Proteção Civil as duas situações continuavam a ser acompanhadas cerca das 23:00 de sábado.

De acordo com a mesma fonte, a EN 9 encontra-se cortada ao trânsito devido "ao galgamento do rio, na zona do Sizandro".

Na EN 247, em Colares, concelho de Sintra, foi a queda de uma árvore de grande porte a provocar a interrupção da circulação automóvel.

/ CM/AG - notícia atualizada às 00:24