Foram diagnosticados com covid-19 mais quatro utentes e três trabalhadores do complexo de lares da Santa Casa da Misericórdia de Bragança, apurou a TVI24 no local. No total, entre os 170 utentes dos três lares há 100 idosos positivos e dos 140 trabalhadores, 15 estão também positivos, sendo que a maioria dos doentes está assintomática.

Os doentes encontram-se distribuídos pelos três lares do complexo.

Durante a semana vai ser feita a testagem de todas as pessoas que laboram neste complexo e também a alunos, professores e profissionais que frequentam outras valências do complexo.

O presidente da Câmara de Bragança, Hernâni Dias, criticou a morosidade dos resultados dos testes ao novo coronavírus que atribuiu ao facto de os laboratórios funcionarem apenas três dias por semana.

O autarca anunciou que vai pedir que a situação seja corrigia numa reunião que, segundo disse, vai pedir de urgência à Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste, a entidade responsável pela realização dos testes em todo o distrito de Bragança.

A situação foi denunciada durante declarações aos jornalistas para fazer o ponto da situação do surto nos lares de idosos da Santa Casa da Misericórdia de Bragança e deu como exemplo este caso concreto, em que os resultados dos testes foram sendo conhecidos aos poucos durante a semana.

Depois de ter sido feito o balanço final nos três lares, com 100 utentes e 15 funcionários positivos de um total de 310 testados, foi decidido testar todas as respostas sociais da instituição, o que significa mais algumas centenas de testes, entre trabalhadores e utentes.

“A partir deste momento exigimos que a Saúde e quem tem responsabilidade de fazer os testes que possa fazer os testes o mais rápido possível porque não se admite que, numa altura destas, tenhamos os laboratórios a trabalhar apenas à segunda, à quarta e à sexta-feira”, afirmou.

O autarca, que é também o responsável municipal pela Proteção Civil, enfatizou que com o funcionamento atual “se, eventualmente, no dia de ontem [sábado], ou até no dia de hoje houver alguém que esteja infetado e que vá fazer o teste, o mesmo só vai para o laboratório na segunda-feira e provavelmente só conhecerá [o resultado] 48 horas depois”.

“O que significa que poderá haver aqui uma situação em que uma pessoa esteja quatro dias sem conhecer os resultados e isso é inadmissível numa altura em que a pandemia está como se percebe a nível nacional, com valores praticamente idênticos àquilo que foi o ponto mais crítico da primeira vaga e, portanto, já teria que haver aqui condições para dar resposta de forma muito rápida a tudo aquilo que é necessário fazer”, concretizou.

Para o presidente da Câmara de Bragança “é imperioso que quando há casos imediatamente se avance para a testagem de todos os trabalhadores e todos os utentes das instituições, sob pena de entrar num processo completamente descontrolado e sem hipótese absolutamente nenhuma de intervir”

“Terá de haver da parte da Saúde, da autoridade competente para a realização dos testes e neste caso particular só temos uma entidade que o pode fazer e que tem essa responsabilidade, terá que agilizar no sentido de o laboratório estar a trabalhar sete dias por semana para poder transmitir o resultado dos testes”.

Hernâni Dias explicitou que “as colheitas estão a ser feitas todos os dias, a análise só está a ser feita à segunda, à quarta e sexta-feira”.

“Eu espero que seja alterado e eu vou exigir que seja alterado obviamente, vou marcar de imediato uma reunião com o presidente da USL do Nordeste no sentido de me assegurar que efetivamente isso vai acontecer”, reiterou.

Com o “desfasamento” atual entre a colheita e a comunicação dos resultados dos testes, o autarca entende que se pode “estar de forma absolutamente negligente a permitir que a doença se propague”.

Acrescem ainda situações de “confusão” nos resultados como ocorreram na Misericórdia de Bragança com idosos que se julgavam negativos e estavam a ser transferidos ou foram mesmo deslocados para uma unidade hoteleira, mas que acabaram por ter que regressar aos lares por estarem positivos.

O presidente da Câmara tem também conhecimento de que a ULS do Nordeste tem material empacotado para reforçar a capacidade de testagem, “nomeadamente a nível de máquinas que estão acomodadas num espaço e para montar um laboratório para poder fazer a análise dos testes covid-19”.

“Até ao momento creio que ainda não foi possível, o que significa que as máquinas estão lá e estão completamente paradas, sem qualquer utilidade, creio que à espera de um espaço adequado para poderem começar a laborar”, afirmou, acrescentando que esta será uma das questões a colocar na reunião que vai pedir.

Presidente da ULS do Nordeste garante que são feitos testes todos os dias

O presidente da Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste, Carlos Vaz, garantiu que esta entidade faz todos os dias testes ao novo coronavírus, rejeitando as críticas do autarca de Bragança à demora dos resultados.

O responsável pela ULS do Nordeste, Carlos Vaz, garantiu à Lusa que esta entidade faz “testes todos os dias para todo o distrito de Bragança com resultados em 24 horas” e que se houve erros ou problemas na comunicação de resultados não são responsabilidade dos laboratórios públicos.

Carlos Vaz afirmou que a ULS tem respondido a todas as solicitações e que quem decide os rastreios e quem tem que ser testado é a Saúde Pública, que, apesar de ser um departamento desta unidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS), tem autonomia e depende diretamente da Direção-Geral da Saúde.

Carlos Vaz indicou que, quando há um surto, ou um aumento do número de testes, é pedida, como desde o início da pandemia covid-19, a colaboração do Hospital de São João do Porto, que também fornece os resultados em 24 horas.

O presidente deu como exemplo o dia de sexta-feira, em que a ULS processou 90 testes e mandou 150 para o São João, sendo que os resultados já foram todos comunicados.

O Instituto Politécnico de Bragança é outras das entidades que processa testes na região, mas apenas os relativos aos lares de idosos, no âmbito de um protocolo celebrado com a Segurança Social.

O presidente da ULS do Nordeste adiantou ainda que a capacidade de testagem vai ser “triplicada” com a instalação de novos laboratórios que vão permitir realizar diariamente mais 200 testes a juntar aos cerca de cem atuais.

O reforço será feito nos três hospitais da região (Bragança, Mirandela e Macedo de Cavaleiros) e algum equipamento já se encontra no hospital de Bragança.

Carlos Vaz explicou à Lusa que foi necessário realizar obras, que “começaram há 15 dias e devem estar concluídas durante a próxima semana”. Será também necessário “preparar os técnicos” que vão trabalhar com o novo material.

O responsável perspetiva que “dentro de 15 dias” o equipamento estará operacional e anunciou que para os meses de outubro e novembro está prevista a chegada de mais material do género para reforço da capacidade.

Os casos de infeção pelo novo coronavírus dispararam no distrito de Bragança para mais de 800, com um total de 29 mortes associadas à covid-19, depois de durante quase quatro meses, desde maio, o número de óbitos se manter em 24.

Juliana Maria / com Lusa - notícia atualizada às 15:45