A PSP do Porto revelou esta sexta-feira que, no âmbito da operação que quinta-feira resultou na detenção de 15 pessoas no bairro da Pasteleira Nova, no Porto, foram apreendidas 7.000 doses de droga que “estariam preparadas para venda direta”.

A maior parte dela [referindo-se à droga apreendida] estava em doses individuais. Foi apreendida alguma droga, muito pouca, em estado puro. Portanto, cremos estar em linha com o que é a apreensão de droga prepara para venda direta”, disse o Comandante da 1.ª Esquadra de Investigação Criminal da Divisão de Investigação Criminal do Comando da PSP do Porto, João Soeima.

Na quinta-feira, a PSP do Porto deteve 15 pessoas suspeitas de tráfico de droga numa operação descrita como “de grande envergadura” que decorreu no bairro da Pasteleira Nova, no Porto.

Os detidos têm entre 21 e 53 anos e a operação envolveu 48 agentes da Divisão de Investigação Criminal do Comando Metropolitano da PSP do Porto.

Fonte policial revelou à agência Lusa, na quinta-feira, que “a quantidade elevada de várias drogas” apreendida estava “em contabilização”.

Já esta manhã, junto ao material apreendido, João Soeima especificou que foram apreendidas cerca de 7.000 doses individuais, num total de seis quilos de heroína, 1.800 de cocaína, bem como “algumas anfetaminas e canábis”.

Somam-se armas de fogo, nomeadamente uma caçadeira de caça alterada e pistolas, bem como cerca de 12.000 euros em dinheiro e três cofres encontrados em três habitações diferentes.

Todo o numerário, tanto em notas como em moedas, é de baixo valor fiduciário. Pela forma como se encontrava disseminado pelas residências, não temos dúvida nenhuma que era resultado de venda direta de estupefacientes”, descreveu João Soeima.

O comandante revelou, ainda, que esta investigação decorre de três inquéritos instaurados pelo Ministério Público, através do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto, estando em curso “há alguns meses”.

Pela natureza dos três inquéritos, podemos dizer que a investigação tem entre dois meses e meio e três meses (…). Existia uma correlação entre todas elas [pessoas detidas] na ocupação do espaço, na ocupação dos tempos de venda direta. Teriam uma organização até sofisticada”, referiu.

As apreensões e detenções decorreram no bairro da Pasteleira Nova, no Porto, tendo João Soeima apontado que, “pela importância e pelo volume de estupefacientes encontrados, não só nesta operação como em outras”, em causa estará “uma zona que terá algum relevo regional” no tráfico de droga.

/ CE