O português de 31 anos que morreu na sequência das explosões deste domingo no Sri Lanka estava naquele país em lua de mel com a mulher, depois de ter caso "há oito dias", de acordo com o patrão, segundo a Lusa.

Rui Lucas, natural de Viseu, estava num dos hotéis atingidos por uma das explosões. O casal estava hospedado no hotel hotel Kingsbury, em Colombo, um dos hotéis alvo dos ataques.

O casal residia na zona de Repeses e gostava de viajar. Nos últimos anos, os dois correram mundo juntos. O Sri Lanka fo o último destino. A mulher, Sílvia, sobreviveu e pediu ao secretário de Estado das Comunidades para "regressar rapidamente" a Portugal.

Rui era funcionário de uma empresa de Vouzela. Desde 2013 era colaborador na T&T Multielétrica, empresa que presta serviços nas áreas das energias renováveis, domótica e segurança, eletricidade e climatização. O patrão, Augusto Teixeira, falou com a Lusa:

Era uma pessoa com um coração enorme, um grande amigo".

Consternado com a notícia da morte do amigo, o empresário disse que é um "momento particularmente difícil" para os cerca de 30 colaboradores da empresa onde Rui Lucas trabalhava, em Crasto de Campia, a cerca de 40 quilómetros de Viseu.

Ele gostava de desportos de natureza, mas acho que não foi por isso que escolheu o Sri Lanka. Ia passar a lua-de-mel para um sítio calmo, com uma cultura completamente diferente. Gostava de viajar, viajava muito nas férias".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já falou com a viúva, a quem apresentou condolências.

Houve um pedido de ajuda para localizar uma segunda família portuguesa de quatro pessoas, que se encontra no Sri Lanka. A família em causa já foi contactada, encontrada em segurança.

Até ao momento, pelo menos, não há registo de mais vítimas mortais ou feridos portugueses na sequência destes atos terroristas.

Veja também: