O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, afirmou, esta quarta-feira ,que o Ministério da Saúde manifestou interesse, no âmbito de um programa europeu, em adquirir um milhão de testes rápidos para detetar a covid-19.

O governante acrescentou que Portugal vai também "beneficiar do financiamento europeu através da Cruz Vermelha Portuguesa para fornecimento de testes rápidos antigénio, cuja primeira tranche de 100.000 testes está prevista para a primeira semana de novembro".

Lacerda Sales lembrou que, de acordo com uma norma publicada pela Direção-Geral da Saúde esta semana, estes testes rápidos passarão a ser utilizados a partir de 9 de novembro em situações definidas e que "estão a ser ultimados os procedimentos para a sua efetiv utilização no Serviço Nacional de Saúde". Recorde-se que, segundo o documento divulgado, estes testes serão utilizados em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições.

O presidente do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, Fernando Almeida, alertou que, esta "circular que entrará em vigor a 9 de novembro vai permitir uma série de procedimentos", mas que estes testes rápidos não poderão ser feitos por qualquer profissional ou qualquer pessoa.

Neste sentido, o especialista revelou que vão ser celebrados protocolos com a Cruz Vermelha para o fornecimento específico destes testes, para a disponibilização de unidades móveis e também para a formação sobre colheita para estes testes.

Portugal regista esta quarta-feira um recorde de mais 3.960 casos de covid-19 e 24 óbitos em 24 horas, segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde. É o dia com mais casos de infeção registados desde o início da pandemia. A taxa de letalidade global da donça é de 1,9%, situando-se em 10,8% acima dos mais 70 anos.

Estamos numa fase crítica da pandemia e os portugueses, sem execeção, compreeenderão que se aos cidadãos é exigido um reforço da responsabilidade individual na defesa do nosso bem-estar coletivo ao Ministério da Saúde é exigido que continue a tomar decisões como tem feito desde o início da pandemia", sublinhou Lacerda Sales.

O governante disse que o plano outono/inverno do Executivo está a ser consolidado, mas que "está já a ser aplicado" a nível regional e local.

Temos feito tudo, naquilo que está ao nosso alcance, para reforçar o Serviço Nacional de Saúde, temos adotado medidas reforçadas de contenção à pandemia e continuaremos a fazê-lo tendo em conta aquilo que são as recomendações dos organismos nacionais e internacionais", vincou o secretário de Estado.

Questionado sobre os estudos que apontam para um aumento significativo de casos diários na próxima semana, o governante admitiu que esse cenário poderá acontecer e levar a uma "sobrecarga dos serviços de saúde".

Os estudos de que dispomos é que poderá haver um aumento significativo de casos diários nos próximos tempos, o que naturalmente vai levar a uma sobrecarga dos nossos serviços de saúde."

Mas sobre a hipótese de serem adotadas medidas mais duras de contenção à pandemia, Lacerda Sales afirmou que remete a possibilidade dessas medidas para a reunião do Conselho de Ministros, que se vai realizar no sábado.

Sofia Santana / atualizada às 16:53