O piloto que morreu esta quinta-feira após a queda de um helicóptero que combatia um incêndio, em Valongo, chamava-se Noel Ferreira e tinha 34 anos.

Era comandante dos Bombeiros Voluntários de Cete e piloto-aviador da Força Aérea Portuguesa.

O helicóptero embateu em linhas de alta tensão e o piloto ficou encarcerado antes de a aeronave se incendiar.

O aparelho era da Afocelca, uma empresa que cede bombeiros especializados à proteção civil e para a qual a vítima trabalhava.

Segundo a página oficial, a Afocelca é um agrupamento complementar de empresas do grupo The Navigator Company e do grupo ALTRI, que com uma estrutura profissional tem por missão apoiar o combate aos incêndios florestais nas propriedades das empresas agrupadas, em estreita coordenação e colaboração com a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

A Afocelca emitiu um comunicado em que confirmou a morte de um dos seus colaboradores. 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, dirigiu condolências aos familiares de piloto.

Segundo a página oficial da presidência, "foi com grande consternação que o Presidente da República acabou de receber a trágica notícia que dá conta da queda de um Celca durante o combate a um incêndio na zona de Valongo, da qual resultou, infelizmente, a perda de vida do piloto, dirigindo por isso aos seus familiares e amigos uma palavra de sentidas condolências".

O Presidente da República quer ainda agradecer a todos os homens e mulheres que estão no terreno, mesmo perante um momento tão difícil como o da perda de um colega e concidadão, por continuaram a sua exigente missão de proteger o próximo", acrescenta a mensagem.