Afinal a poluição do ar pode não afetar apenas os órgãos respiratórios. Provado o efeito nocivo dos agentes poluentes do ar nos pulmões e vias respiratórias, um novo estudo conclui que os seus efeitos negativos se podem estender a todas as partes do corpo.

O relatório, que corrobora a investigação da Organização das Nações Unidas, foi apresentado por investigadores do Fórum Internacional de Sociedades Respiratórias e relembra que a poluição atmosférica é “controlável”, pelo que “muitos dos efeitos na saúde podem ser prevenidos”. 

Segundo o relatório existem mais de dois milhões de mortes relacionadas com problemas nos pulmões que são causados pela poluição do ar. O estudo acrescenta que a poluição pode ser responsável por 19% das mortes por ataque cardíaco e 21% das mortes por AVC. A poluição foi ainda encontrada como responsável por casos de cancro na bexiga ou de leucemia infantil. Segundo a Organização Mundial de (OMS), a poluição é responsável por um total de quatro milhões e 200 mil mortes anuais.

Pode causar, complicar ou exacerbar muitas condições de saúde”, diz o relatório sobre a poluição

Os investigadores realçam que o caso é mais grave nas cidades com elevados níveis de poluição, incidindo sobretudo sobre pessoas que já apresentem outras condições de saúde.

O relatório refere que a fina espessura das partículas faz com que seja fácil que estas entrem nos órgãos e, por consequência, na corrente sanguínea, envenenando o corpo humano de forma lenta. A OMS diz que 91% da população mundial vive em sítios em que a qualidade do ar ultrapassa os parâmetros definidos pela OMS.

A OMS diz que nove em cada 10 pessoas vive num sítio que contém elevados níveis de agentes poluentes.

A Índia é, atualmente, o país com maior poluição no mundo. O Médio Oriente apresenta dados preocupantes em relação à qualidade do ar. Nas 30 cidades mais poluídas do planeta não há nenhuma europeia ou norte-americana. Recorde-se que ainda há pouco tempo a Cidade do México declarou emergência devido à poluição atmosférica.