É conhecida por ser a estrela que guiou os três reis magos até ao local onde Jesus nasceu, e agora, mais de 800 anos depois, a Estrela de Belém vai voltar a ser visível a partir da Terra.

O fenómeno astronómico acontece devido à junção de Júpiter e Saturno, que vão formar uma espécie de planeta duplo, com o auge a ser atingido por volta do dia 21 de dezembro, muito próximo do Natal, naquela que será a noite mais longa do ano no Hemisfério Norte.

A atribuição do nome Estrela de Belém surge da crença de que a estrela que guiou os reis magos terá sido precisamente uma conjunção planetar, ainda que, segundo os especialistas, os planetas mais próximos na altura fossem Vénus e Júpiter.

A última vez que Júpiter e Saturno estiveram tão próximos foi em 1623, mas as condições para que o fenómeno fosse visível a olho nu a partir da Terra não foram tão ideiais como as de 1226, altura em que esta formação de planeta duplo poderá ter sido avistada pela última vez.

Os cientistas acreditam que quanto mais próximo se estiver da linha do Equador mais visível se tornará esta formação.

O professor Rodolfo Langhi, da Universidade Estadual Paulista, explicou à CNN Brasil que já será possível em alguns locais do planeta vislumbrar a aproximação entre Júpiter e Saturno, que deve ser representada por duas estrelas brilhantes muito próximas.

Embora estes dois planetas pareçam próximos, continuam separados por centenas de milhões de quilómetros, frisa a NASA.

António Guimarães