A polícia britânica já confirmou a identidade do autor do ataque terrorista à porta de uma maternidade, em Liverpool. Trata-se de Emad al-Swalmeen, de 32 anos, um muçulmano convertido ao cristianismo há quatro anos.

As autoridades britânicas afirmam ainda ter descoberto “provas importantes” no interior do apartamento onde al-Swalmeen morava, na periferia de Liverpool.

De acordo com a imprensa britânica, o suspeito chegou ao Reino Unido alegando ser descendente sírio e iraquiano, mas fontes das forças de segurança acreditam que é natural da Jordânia.

Os quatro suspeitos inicialmente detidos na sequência do atentado foram todos libertados.

O suspeito acabou por ser a única vítima mortal do explosivo que estava previsto ser detonado no interior do Liverpool Women’s Hospital, durante o Remembrance Sunday, "Dia da Lembrança" na tradução literal, dedicado à memória dos soldados mortos em serviço em conflitos, incluindo nas missões mais recentes no Iraque e Afeganistão.

Al-Swalmeen tinha apanhado o táxi cerca de 10 minutos antes da explosão e pediu para ser levado para o hospital. 

O taxista que o transportou terá alegadamente trancado as portas ao bombista, impedindo que este entrasse na maternidade. O homem acabou por detonar o engenho explosivo no interior do carro, perdendo a vida de imediato.

O taxista ficou ferido sem gravidade, mas acabou por ser transportado para o hospital por precaução, tendo alta hospitalar poucas horas depois. 

O primeiro-ministro britânico também elogiou a coragem do taxista, que poderá ter evitado a perda de muitas vidas, uma vez que as autoridades suspeitam que o plano do terrorista passasse por entrar no hospital.

Redação / JGR