Os 39 cadáveres encontrados num camião em Essex, no Reino Unido, são de nacionalidade chinesa. A informação foi avançada pela ITV News e entretanto confirmada pela polícia.

Segundo as autoridades, as vítimas são oito mulheres e 31 homens.

A identificação dos corpos continua esta quinta-feira, depois de os agenets terem antecipado que este seria um processo "demorado". A porta-voz da polícia de Essex Pippa Mills afirmou que o veículo foi transportado para um local seguro de Tilbury Docks para que os corpos sejam “recuperados preservando a dignidade das vítimas”.

O camião, da marca sueca Scania, tinha uma unidade de refrigeração e há relatos de que as vítimas possam ter congelado até à morte.

O embaixador chinês em Londres, Liu Xiaoming, lamentou a tragédia, numa mensagem divulgada nas redes sociais e afirmou estar em contacto com a polícia britânica.

É com os corações pesados que sabemos da morte de 39 pessoas em Essex, Inglaterra. Estamos em contacto com a polícia britânica para procurar a clarificação e a confirmação de informações importantes.”

 

A polícia britânica fez buscas a duas casas na Irlanda do Norte, esta madrugada, no âmbito da investigação a este caso. De acordo com a imprensa local, as duas buscas realizadas estão relacionadas com o condutor do veículo, identificado como Mo Robinson, de 25 anos, natural de Portadown, no condado de Armagh, Irlanda do Norte.

Mo Robinson foi detido por suspeitas de homicídio e continua a ser interrogado pela polícia. Para já, não é claro se o homem sabia de algum plano de transporte de pessoas para o Reino Unido.

A Agência Nacional para o Crime do Reino Unido também informou que está a desenvolver diligências no sentido de identificar “grupos de crime organizado” que possam ter ligações a este caso.

As autoridades não relacionaram formalmente as mortes ao tráfico de pessoas, mas as suspeitas apontam nesse sentido pela forma como as vítimas estavam amontoadas no interior do camião.

Inicialmente, as autoridades acreditavam que o camião tinha entrada no Reino Unido pela cidade portuária de Holyhead no país de Gales, mas, entretanto, concluíram que o veículo entrou afinal pelo porto de Purfleet, procedente de Zeebruges, na Bélgica.

O camião foi registado na cidade de Varna, na Bulgária, mas pertence a uma empresa detida por uma mulher irlandesa. Não há registo de passagem do veículo na Bulgária desde 2017.

A procuradoria federal da Bélgica também abriu uma investigação sobre este caso, uma vez que o veículo terá passado por território belga.

Os resultados preliminares da investigação mostram que o camião chegou a Zeebrugge no dia 22 de outubro às 14:29 e que deixou o porto no mesmo dia, chegando a Purfleet no dia 23 de outubro às 01:00”, informou uma porta-voz das autoridades belgas.

Não se sabe quando é que as vítimas entraram no camião ou se isto aconteceu na Bélgica.

O camião com 39 cadáveres foi encontrado na madrugada desta quarta-feira no Parque Industrial de Waterglade, em Grays, Essex, pelas 1:40.

O caso está a chocar o Reino Unido e já é considerado a pior tragédia no país dos últimos 20 anos.