Depois de ter anunciado que ia construir um hospital na cidade de Wuhan em apenas 10 dias, a China revelou este sábado, através dos meios de comunicação estatais, que está a edificar uma outra infrastrutura na mesma localidade.

O novo hospital tem um tempo de construção previsto de 15 dias, e vai servir para dar resposta ao aparecimento de novos casos do coronavírus.

Wuhan foi o epicentro deste surto viral, que já chegou a cerca de 1.300 pessoas em todo o mundo.

As autoridades chinesas confirmaram esta sexta-feira a morte de 15 pessoas, em Wuhan, aumentando o número total de mortes para 41.

Ainda esta sexta-feira confirmaram-se os primeiros casos de infeção na Europa, com a notícia de três casos confirmados em França. Também nos Estados Unidos da América o número aumentou para dois.

Só no território continental chinês há registo de mais de 800 pessoas infetadas e cerca de 1.000 casos suspeitos, tendo sido confirmados casos em Macau, Malásia, Tailândia, Taiwan, Hong Kong, Coreia do Sul, Japão, Estados Unidos, França e Austrália.

As autoridades chinesas consideram que o país está no ponto "mais crítico" no que toca à prevenção e controlo do vírus e colocaram em várias cidades em quarentena.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde anunciou a ativação dos dispositivos de saúde pública de prevenção, enquanto o Centro Europeu de Controlo de Doenças elevou para “moderado” o risco de contágio na União Europeia, continuando a monitorizar a situação e a realizar avaliações rápidas de risco.

Os sintomas associados à infeção causada por este novo coronavírus são mais intensos do que uma gripe e incluem febre, dor, mal-estar geral e dificuldades respiratórias, incluindo falta de ar.