O Japão está a ponderar pagar a quem quiser visitar o país. A medida poderá custar aos cofres japoneses 12,5 mil milhões de dólares, o que equivale a aproximadamente 11,5 mil milhões de euros.

O objetivo de Tóquio é reativar o turismo nipónico o mais depressa possível, assim que a pandemia de Covid-19 estiver controlada. As melhores previsões dizem que o programa poderá estar em vigor já em julho, caso as restrições nas ligações aéreas sejam levantadas.

De acordo com a imprensa japonesa, o anúncio foi feito esta semana pelo comissário da Agência de Turismo do Japão, Hiroshi Tabata e, apesar de todos os detalhes ainda não estarem definidos, espera-se um plano semelhante ao de Itália. No mês passado, Roma anunciou um plano de apoio ao turismo destinado à Sicília. Na prática, a ideia pressupõe ressarcir os turistas em metade dos custos da viagem aérea, descontos em várias unidades hoteleiras e ainda entradas gratuitas em museus e espaços arqueológicos.

O turismo nipónico sofreu uma quebra de 99,9% em abril, comparado com o período homólogo do ano anterior. O número total de turistas estrangeiros no quarto mês de 2020 fixou-se nos 2.900, o pior desde que há registos. Os dados relativos ao número de visitantes no país começaram a ser analisados em 1964 e nunca tinham sido inferiores a 10 mil.

Para encontrarmos valores semelhantes é necessário recuarmos 56 anos, quando, em fevereiro de 1964, apenas 17.543 pessoas visitaram o país. Em 2019, o Japão tinha ultrapassado o recorde de visitantes estrangeiros num só ano com mais de 32,5 milhões de turistas provenientes de outros países.

Ainda assim, esta não é a primeira tentativa de Tóquio para reativar o turismo. Em dezembro, quando estavam a ser descobertos os primeiros casos de Covid-19, a companhia aérea Japan Airlines e o grupo económico Nomura Research Institute já tinham anunciado que iriam oferecer 100 mil bilhetes de avião em voos domésticos. O objetivo era fomentar o turismo de Quioto e Tóquio.

A acrescentar às quebras acentuadas no setor do turismo no Japão, a capital do país, Tóquio, iria receber a edição dos Jogos Olímpicos este ano, mas o evento já foi adiado para 2021.

O Japão foi um dos primeiros países a ser afetado pela pandemia de Covid-19, depois do novo coronavírus ter trespassado as fronteiras chinesas. Até ao momento, o antigo império do sol nascente foi dos países que demonstrou maior capacidade de minimizar os efeitos do surto, somando 16.581 casos de infeção e 830 mortes.

Nuno Mandeiro