A Organização Mundial de Saúde (OMS) admitiu esta sexta-feira que países com forte aumento de casos de covid-19, como alguns do centro e leste da Europa, podem ter de adotar novas restrições para controlar a pandemia.

Alguns países estão numa situação tão difícil que será difícil não implementar medidas restritivas, pelo menos por um curto período de tempo para reduzir a intensidade da transmissão" do vírus, adiantou o diretor de emergências de saúde da OMS, em conferência de imprensa.

De acordo com Mike Ryan, no caso de outros países que não se encontram numa situação pandémica tão alarmante, “pode não ser tarde para transmitir à população que é necessário voltar a usar máscara, evitar espaços congestionados, trabalhar a partir de casa e manter distância social”.

Segundo adiantou o especialista, o aumento de casos de infeção na Europa resulta da combinação do levantamento rápido das medidas de prevenção e controlo das infeções e de taxas de vacinação insuficientes em alguns países.

Perante isso, os governos devem avaliar as decisões que tomam com base no momento da pandemia em que o país se encontra, adiantou Mike Ryan, mas salientou que uma taxa de vacinação completa entre 30% e 50% não é suficiente para proteger a população em risco.

Há grupos significativos da população que permanecem não vacinados e, nessas situações, a mesma incidência de casos - em relação aos países com maiores taxas de vacinação - vai levar a uma pressão maior nos sistemas de saúde”, alertou.

A OMS garantiu ainda que esta nova onda de covid-19 na Europa está a atingir principalmente pessoas não imunizadas, tendo em conta a eficácia das vacinas mesmo contra a variante Delta, que é a predominante e considerada mais transmissível do que o coronavírus original.

Segundo os dados da organização, a Europa registou cerca de dois milhões de novos casos na última semana, o maior número semanal desde o início da pandemia, assim como 27 mil mortes, cerca de metade de todos os óbitos por covid-19 no mundo.

Terceira dose dificulta acesso dos países pobres à vacina, diz diretor-geral da OMS

Na conferência de imprensa, o diretor-geral da OMS alertou ainda que a terceira dose da vacina contra a covid-19 que está a ser administrada em vários países, incluindo Portugal, está a dificultar o acesso às duas primeiras doses nos países pobres.

De acordo com Tedros Adhanom Ghebreyesus, em cada dia estão a ser administradas seis vezes mais doses de reforço do que as doses iniciais previstas para imunizar contra o vírus.

Isto é um escândalo que deve parar agora. A grande maioria dos países está pronta para vacinar, mas precisa das doses", assegurou o responsável da OMS.

A organização prevê que, para atingir a meta de 40% da população de todos os países vacinada até o final do ano, são necessárias 550 milhões de doses adicionais, o que equivale ao que é produzido em apenas dez dias.

Não adianta administrar doses de reforço a adultos saudáveis ou vacinar crianças, quando há profissionais de saúde, idosos e pessoas de alto risco no mundo que ainda estão à espera da primeira dose”, referiu Tedros Adhanom Ghebreyesus.

LEIA TAMBÉM:

COP26: MAIS DE 50 PAÍSES QUEREM BAIXAR EMISSÕES DE SISTEMAS DE SAÚDE

OMS RETOMA AVALIAÇÃO DA VACINA RUSSA

/ PF