O Conselho do Atlântico Norte, órgão máximo de tomada de decisão da NATO, condenou esta sexta-feira “energicamente” a “instrumentalização cruel” das migrações por parte da Bielorrússia e garantiu que permanecerá “vigilante” quanto ao “risco de escalada e provocação”.

O Conselho do Atlântico Norte condena energicamente a instrumentalização contínua da migração irregular criada artificialmente pela Bielorrússia como parte das suas ações híbridas dirigidas contra a Polónia, Lituânia e Letónia, para fins políticos", disse o órgão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), em comunicado.

O Conselho adiantou que essas ações “põem em perigo a vida de pessoas vulneráveis” e expressou a “solidariedade” dos membros da NATO para com a Polónia, Lituânia, Letónia “e outras nações aliadas afetadas”. 

Nesse sentido, o Conselho da NATO frisou que a Aliança Atlântica apoia medidas “guiadas por valores fundamentais e legislação internacional aplicável”, aprovadas pelos aliados “individual e coletivamente”, em resposta a uma situação que “requer estreita coordenação com os principais parceiros internacionais”.

Continuaremos vigilantes contra o risco de uma nova escalada e provocação por parte da Bielorrússia nas suas fronteiras com a Polónia, Lituânia e Letónia, e continuaremos a analisar e fiscalizar as implicações de segurança da Aliança”, indica o comunicado.

Por outro lado, a NATO pediu à Bielorrússia que “ponha fim às ações, respeite os direitos humanos e as liberdades fundamentais e cumpra o direito internacional”.

LEIA TAMBÉM:

/ PF