Joaquin "El Chapo" Guzman, o barão da droga mexicano, foi condenado a prisão perpétua, nos Estados Unidos. Uma pena à qual se juntam 30 anos. A decisão foi tomada pelo tribunal de Brooklyn, em Nova Iorque, esta quarta-feira.

Atualmente com 62 anos, o mexicano estava acusado de 10 crimes, entre os quais o tráfico de droga do México para os Estados Unidos. O tráfico incidia sob substâncias como cocaína, heroína ou marijuana. Crimes que agora se dão como provados. "El Chapo" foi também condenado por associação criminosa e conspiração em vários assassinatos, que foram levados a cabo pelo Cartel de Sinaloa, gangue do qual o homem era líder.

Joaquin Guzman é uma figura incontornável do crime internacional recente e foi descrito pelos procuradores norte-americanos como "o maior criminoso do século XXI". "El Chapo", que significa "baixinho", estava preso na penitenciária de alta segurança de Manhattan desde 2017, altura em que foi extraditado do México, depois de um moroso processo jurídico.

O traficante começou a sua atividade nos anos 80, construindo túneis entre a fronteira do México com os Estados Unidos. Era através desses caminhos subterrâneos que traficava a droga entre os dois países, ganhando especial importância nas décadas de 90 e 2000.

O julgamento que condenou "El Chapo" durou 11 semanas e ouviu 12 testemunhas que tiveram ligações ao mexicano. Essas pessoas aceitaram depôr a favor da acusação depois de vários acordos com a justiça americana. Estes relatos foram preciosos para que a acusação percebesse qual o funcionamento do Cartel liderado por Guzman.

A acusação norte-americana fala em negócios que ascenderam aos 11 mil milhões de euros, o que motivou a revista Forbes a incluir "El Chapo" numa das suas edições.

As famosas fugas da prisão começaram em 2001, quando, depois de oito anos encarcerado numa prisão mexicana, conseguiu escapar através de um carrinho da lavandaria. Passaria os anos seguintes anos escondido nas montanhas de Sinaloa, protegido por um exército privado.

Voltou a ser preso em 2014, mas viria a escapar, através de uma conduta de ventilação, sendo finalmente apanhado em 2016.